Cidades

Infestação de caramujos africanos preocupa moradores de Castelo

COMPARTILHE
4411

A infestação de caramujos africanos está preocupando e incomodando moradores de Castelo. Um dos pontos afetados pelos moluscos é a Praça Três Irmãos, no Centro do município.

Dentistas da prefeitura levam ações de prevenção em saúde bucal a escolas

Por meio de sua equipe de dentistas, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) vem...

Secretário preso na Operação Ouro Velho recebe liberdade provisória

O Juíz Bruno Fritoli Almeida, da Comarca de Guaçuí, concedeu o alvará de soltura...

Mesmo com caixa garantido em R$ 500 milhões, Marataízes não consegue superar problemas de alagamentos

Mesmo com recursos garantidos, de forma retroativa, em R$ 500 milhõe oriundos de um...

O caramujo pode transmitir, caso esteja contaminado, duas doenças perigosas: a estrongiloidíase e a meningite eosinofílica. O molusco tem como características cerca de 15 a 20 centímetros e chegam a pesar 200 gramas.

“Estou horrorizada com a infestação desses caramujos. Eles estão espalhados pelos canteiros e calçadas. São esmagados por pedestres. Crianças estão pegando esses bichos para brincar, sem saber o risco que correm”, contou uma moradora que preferiu não se identificar.

Doenças

Continua depois da publicidade

A meningite eosinofílica acontece quando o verme chega no sistema nervoso central inflamando as meninges que recobrem o cérebro. Já a estrongiloidíase causa intensa dor abdominal que pode ser confundida com apendicite. Ambas contaminações podem levar a morte.

Cuidados

Os melhores horários para a coleta dos moluscos são pela manhã ou no final da tarde. Deve-se fazer o manejo com as mãos protegidas por luvas ou sacos plásticos. Antes de jogar os caramujos no lixo comum, é preciso matá-los e desinfetá-los. Para isso, deve-se diluir uma colher de sopa de água sanitária em um balde com um litro de água.

Os caramujos devem ser colocados em um saco plástico com furos e fechado na extremidade com um nó e imersos no balde por 24 horas. Após isso, escorrer a água na rede de esgoto sanitário e jogar os caramujos no lixo em outra sacola fechada.

Em local adequado pode-se também fazer a queima destes caramujos.

Para queimar e macerar as conchas, deve-se colocá-las em um recipiente de metal ou de barro e atear fogo, com cuidado, para evitar acidentes. Após isso, quebrar as conchas e enterrá-las no solo para que não virem criadouro de mosquitos transmissores de outras doenças, como dengue, zika e chikungunya.

Prefeitura

A reportagem demandou a Prefeitura de Castelo mas não recebeu resposta sobre as medidas tomadas pelo município para eliminar o caramujo.

 

 

Publicidade