Espírito Santo

Fórum debate implantação de programas de integridade no Poder Público no ES

COMPARTILHE
Foto: Hélio Filho/Secom
196

A necessidade de implementar programas de integridade no Poder Público, com o objetivo de fomentar um ambiente de maior controle interno está em debate no II Fórum Brasil GRC – Governança, Riscos e Compliance. O evento acontece durante toda esta segunda-feira (8), no auditório do Vitória Grand Hall, em Santa Luiza, Vitória.

Sedu abre 150 vagas em processo seletivo para Intercâmbio no exterior

tenção, alunos matriculados nos Centros Estaduais de Idiomas (CEIs) da Rede Estadual de Ensino! Estão...

PRF inicia Operação Corpus Christi nesta quarta (19) no Espírito Santo

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) iniciará à meia-noite desta quarta-feira (19), a Operação Corpus...

Governador sanciona leis que criam Fundo Soberano e Fundo de Infraestrutura no ES

O governador do Estado, Renato Casagrande, sanciona, nesta segunda-feira (17), as leis que criam...

O encontro é promovido pela ONG Espírito Santo em Ação, com apoio institucional da Secretaria de Estado de Controle e Transparência (Secont). A palestra de abertura foi ministrada pelo governador Renato Casagrande, que destacou os avanços obtidos pela administração pública na busca por mecanismos de controle interno.

“Tenho a convicção que avançamos muito. Um exemplo é a aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal, que foi uma grande conquista da sociedade brasileira. A lei estabelece parâmetros que dão instrumentos para que os órgãos de controle possam fazer uma inserção ativa sobre aqueles gestores que não têm responsabilidade”, disse o governador.

Continua depois da publicidade

Outro marco, segundo Casagrande, foi a Lei de Acesso à Informação. “O Espírito Santo chegou, em 2014, a ser o primeiro colocado em transparência no Brasil. Colocamos como meta voltar à liderança. A transparência é importante para termos controle dos gastos do poder público.  É o melhor remédio para que essa atividade seja controlada efetivamente pela sociedade. Avançamos muito quando aprovamos a Lei de Acesso à Informação. Hoje, se o gestor não quer prestar o serviço, o cidadão tem o direito de buscar a informação”, afirmou.

O Fórum Brasil GRC conta com a presença de representantes do poder público, de empresas e de órgãos de controle. A vice-governadora, Jaqueline Moraes e o secretário de Estado de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, também participaram dos debates.

Além dos programas de integridade, o evento discute a busca por uma agenda de desburocratização e o combate à corrupção nas relações público-privadas. O secretário de Estado de Controle e Transparência, Edmar Camata, falou sobre a importância de o Poder Público ter regras claras e dispor de ferramentas de compliance.

“O Estado que se omite nessas pautas provoca medo no bom gestor de decidir, e não tem nada pior do que isso. O objetivo da normatização não é criar um apagão das canetas; é dar segurança a quem está à frente da gestão. Nosso papel é incentivar o bom gestor e afastar o oportunista, o mal-intencionado, o corrupto”, explicou.

De acordo com Camata, nesses primeiros 90 dias de governo, a Secont trabalhou a base para desenvolver projetos com foco na integridade, na governança e na transparência. Para isso, três ações foram fundamentais. A primeira foi o lançamento do Programa de Integridade do Governo do Estado. “O Projeto de Lei está hoje na Assembleia Legislativa e tem como diferencial o fato de o Espírito Santo não cobrar primeiro do empreendedor as normas de integridade, mas sim, fazer o dever de casa e cobrar dos órgãos e entidades públicos”, observou.

Além disso, a Ouvidoria-Geral aderiu a uma ferramenta privada para ampliar o canal de comunicação com o cidadão, o Portal de Serviços Reclame Aqui, utilizado diariamente por 600 mil usuários no País.

O governador Renato Casagrande anunciou o aporte de mais de R$ 1 milhão para o Fundo Estadual de Combate à Corrupção. “Para desenvolvermos esses projetos, o diálogo é essencial. Não há Estado que entregue resultados sem um empreendedorismo pujante. E não há empreendedor que aguente e sobreviva a um Estado ineficiente ou que não consiga cumprir seu papel social”, argumentou Camata.

Pela manhã, o Fórum Brasil GRC contou com outras duas palestras: o superintendente-geral do Cade, Alexandre Cordeiro Macedo, ministrou “A Política de Governança da Administração Pública Federal Direta, Autárquica e Fundacional e seus Impactos no Meio Empresarial; e o gerente executivo de Conformidade da Petrobras, Paulo José Alves, abordou o tema “Sistema de Integridade das Empresas Estatais – Lei 13.303/2016.

À tarde, o destaque é o painel “A Importância do Compliance para a Proteção dos Dados Pessoais pelas Empresas – Aspectos Fundamentais da Lei 13.708/2018, que terá como debatedores o subsecretário de Estado de Integridade Governamental e Empresarial, Marcelo Martins Altoé, e a sócia e head de Direito Digital da PG Advogados, Patricia Peck. Toda renda arrecada com as inscrições para participar do evento – R$ 14.148,00 – foi doada à Associação de Amigos dos Autistas.

Publicidade