Espírito Santo

Casagrande participa de debate sobre futuro da mineração em MG

COMPARTILHE
75

O governador do Estado, Renato Casagrande, participou, nesta quarta-feira (17), do debate sobre o futuro da mineração durante o Seminário Técnico Internacional sobre Barragens de Rejeitos, realizado em Nova Lima-MG. O evento teve as presenças dos ministros Bento Albuquerque (Minas e Energia) e Ricardo Salles (Meio Ambiente), além do governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e representantes das empresas.

Governador Casagrande fala sobre a situação das chuvas no ES

O governador do Estado, Renato Casagrande, falou por meio de vídeo, sobre caos causado...

Alerta Vermelho! Chuva intensa coloca ES em estado de atenção

A chuva intensa que cai desde a madrugada deste sábado (18), colocou o Espírito...

Justiça suspende reajuste do pedágio da BR-101 no Espírito Santo

A Justiça Federal acatou o parecer do Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF/ES)...

Em sua fala, Casagrande destacou os impactos diretos e indiretos sofridos pelo Espírito Santo com os desastres de Mariana e Brumadinho. “O efeito para Minas Gerais é grande, mas para nós, no Espírito Santo, também é enorme. Mariana afetou muito a economia capixaba, também a área social e muito na área ambiental. Mais do que ter pujança econômica, precisamos de um País justo. Nosso maior desafio no Brasil é enfrentar as desigualdades”, alertou.

Casagrande fez ainda o pedido para a retomada das atividades da mineradora Samarco, que tem uma planta industrial em Anchieta. No entanto, ele destaca que o retorno deve ser acompanhado de medidas eficazes para impedir novas tragédias. “Meu pleito, como governador, é que tenhamos pressa para retornar a funcionar, mas que tenham a responsabilidade necessária. Não aceitamos mais falhas, novos erros”, disse Casagrande.

Continua depois da publicidade

Além de frisar a importância de não haver mais erros, Casagrande reivindicou inovações na destinação dos rejeitos de mineração. “A atividade de mineração gera 300 milhões de metros cúbicos de rejeitos por ano. São 150 Maracanãs por ano. É preciso pensar na destinação desses rejeitos. Já existem tecnologias para a secagem dos rejeitos”, lembrou.

Publicidade