Cidades

Capixaba que recebeu achocolatado no lugar de celular será indenizada

COMPARTILHE
947

A 1° Vara de Santa Maria de Jetibá condenou uma loja virtual, e uma fabricante de produtos eletrônicos, a indenizarem moralmente uma consumidora que comprou um aparelho celular e recebeu uma caixa de achocolatado, ao invés do produto adquirido.

Dentistas da prefeitura levam ações de prevenção em saúde bucal a escolas

Por meio de sua equipe de dentistas, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) vem...

Secretário preso na Operação Ouro Velho recebe liberdade provisória

O Juíz Bruno Fritoli Almeida, da Comarca de Guaçuí, concedeu o alvará de soltura...

Mesmo com caixa garantido em R$ 500 milhões, Marataízes não consegue superar problemas de alagamentos

Mesmo com recursos garantidos, de forma retroativa, em R$ 500 milhõe oriundos de um...

A primeira ré do processo defendeu que não foi responsável pelos danos causados à autora, visto que apenas intermediou a compra e venda do celular. Em contrapartida, a fabricante não apresentou contestação aos fatos narrados na petição inicial, o que, segundo o julgador da ação, “deixou clara a veracidade da narração autoral”.

O juiz verificou que a consumidora comprovou a aquisição do eletrônico, conforme documentos anexados ao processo. “Analisando detidamente os autos, extrai-se que a autora adquiriu perante a parte ré um aparelho celular, conforme restou comprovado por meio de documento. Da mesma forma, restou demonstrado que o aparelho não fora entregue à parte autora, a qual recebeu em seu lugar uma caixa de achocolatado”, analisou.

Continua depois da publicidade

O magistrado observou que o pedido formulado pela autora quanto à restituição do valor pago pelo aparelho celular não merece acolhimento, uma vez que a própria consumidora afirmou que recebeu o estorno em seu cartão de crédito.

Quanto ao pedido de indenização por danos morais, o julgador entendeu que houve transtorno de ordem psicológica causada à requerente, que recebeu uma caixa de achocolatado no lugar do produto adquirido virtualmente. Por isso, as requeridas foram condenadas a realizar o pagamento de indenização por dano moral no valor de R$ 3 mil à autora.

Publicidade