Economia

Governadores podem intensificar forças em prol da reforma, diz Doria

COMPARTILHE
11

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta terça-feira, 23, que os governadores podem intensificar forças em prol da reforma da Previdência no Congresso se o governo federal atender aos Estados com socorro fiscal e outras pautas de interesses dos governadores. “Não é colocar a forca no governo, não foi falado isso, mas entender que é um momento em que a conjugação de forças dos governadores em prol da reforma da Previdência pode ser colocada em prática havendo também interesse do governo e disposição de atender em tudo que for possível, legítimo e viável os pleitos dos governadores”, comentou Doria após reunião com governadores em Brasília.

Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima quinta-feira

/com informações Agência Brasil   O pagamento do abono salarial do Programa de Integração Social (PIS)...

Bolsas de NY fecham em baixa com Fed e balanços no radar

As bolsas de Nova York encerraram o pregão desta sexta-feira, 19, em queda. Um...

Dólar vai a R$ 3,74 com perspectiva de corte menor de juros pelo Fed

Em uma semana marcada por baixo volume de negócios e agenda local fraca, o...

O tucano manifestou confiança de que a reforma será aprovada ainda nesta terça na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Ele apontou o que chamou de inexperiência de parlamentares como causa da demora na tramitação da reforma no colegiado.

“Acho que, um pouco por inexperiência, um pouco pelo noviciado de muitos parlamentares, talvez o tempo despendido na CCJ tenha isso demasiado, mas isso não vai influir no resultado final, a meu ver, para aprovação da reforma”, disse Doria, pontuando que o Congresso pode fazer alterações na proposta.

Continua depois da publicidade

Pela projeção do governador paulista, a reforma terminará no Congresso resultado em uma economia entre R$ 700 bilhões e R$ 800 bilhões em dez anos, menos do que o previsto inicialmente pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Para Doria, “melhor uma reforma do que não ter tê-la”. Sem a aprovação da proposta ainda no primeiro semestre, declarou, os Estados poderão mergulhar no “maior caos econômico e institucional” na segunda parte do ano.

Daniel Weterman
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade