Economia

Otimismo com CCJ e NY em alta levam Ibovespa acima dos 95 mil pontos

COMPARTILHE
9

O Ibovespa é negociado nesta terça-feira, 23, em alta desde a abertura, superando os 95 mil pontos na máxima intraday. O movimento é fundamentado numa soma de fatores: alta nas bolsas de Nova York após resultados corporativos trimestrais positivos, fim à possibilidade de greve dos caminhoneiros, esperança com aprovação da admissibilidade da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) após acordo com o Centrão, alta do petróleo mesmo após a forte valorização na segunda-feira.

Bloqueio de verba foi superior a 40% em 300 projetos

O governo federal congelou todo o Orçamento previsto neste ano para políticas em áreas...

Governo vê pouca chance de entrada do Brasil na OCDE

São "baixas" as expectativas do governo brasileiro de encontrar na semana que vem uma...

Justiça de MG eleva multa da Vale a R$ 300 mi e cobra entrega de estudo

A Justiça de Minas Gerais determinou, nesta sexta-feira, 17, que a mineradora Vale apresente...

Às 10h33, o Ibovespa estava na máxima aos 95.598,03 pontos em alta de 1,07%.

Todas as blue chips colaboravam para essa valorização, sobretudo as ações da Petrobras. Em alta desde a abertura, não é possível, contudo, antecipar se o índice à vista encerrará o dia com variação positiva. Tudo dependerá do desenrolar da reforma na CCJ, onde os deputados iniciam a sessão à tarde. Muitos analistas sugerem cautela para o dia.

Continua depois da publicidade

Ainda que a valorização do petróleo sugira o mesmo comportamento para as ações da Petrobras, analistas estudam se a correlação direta entre os dois preços segue valendo depois de o presidente Jair Bolsonaro ter interferido no reajuste do diesel na quinzena passada.

Os analistas da estatal, inclusive, assimilam a mudança na divulgação de ajustes de preços da gasolina e do diesel anunciada na segunda-feira. A empresa vai passar a registrar o valor por cada um dos 37 pontos de venda e não mais fazendo a média do mercado, como vinha divulgando.

O detalhamento do preço de venda da Petrobras é um antiga reivindicação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e uma forma de o mercado comparar os valores divulgados pela agência com os da petroleira, a fim de verificar se a estatal está realmente praticando preços alinhados com mercado internacional.

Do noticiário corporativo, um dos destaques é a B3. O conselho de administração aprovou ontem a realização da segunda emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da companhia, em série única, no valor total de R$ 1,2 bilhão. Os títulos terão distribuição pública com esforços restritos de colocação. Perto do horário acima, a ON da B3 subia 1,44%.

Sobre a iminente greve no setor de transportes, o governo conseguiu chegar a um acordo que demoveu os caminhoneiros da ideia de paralisar os serviços e o País. Além do pacote divulgado na semana passada e da mudança na forma de divulgação dos reajustes da Petrobras, ficou acertado que o governo irá fiscalizar o cumprimento das tabelas de preço do frete e reajustá-las com as variações de preço dos combustíveis.

Karla Spotorno
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade