Internacional

Jornalista morre após ser baleada durante confrontos na Irlanda do Norte

COMPARTILHE
14

Uma jornalista foi baleada durante confrontos entre cidadãos e polícia na noite desta quinta-feira, 18, na cidade de Londonderry, na Irlanda do Norte. Lyra McKee, de 29 anos, foi socorrida ao hospital mas acabou morrendo.

Eleições argentinas: Pesquisa dá vitória a Fernández no 1º turno

O candidato de oposição Alberto Fernández deve derrotar o presidente argentino, Mauricio Macri, nas...

México deporta mais de 300 imigrantes indianos

Mais de 300 indianos que pagaram dezenas de milhares de dólares cada um para...

Ataque contra mesquita mata 62 e fere 33

Pelo menos 62 pessoas morreram e 33 ficaram feridas em um ataque contra uma...

Segundo Mark Hamilton, policial responsável no caso, a polícia classificou o assassinato como um “incidente terrorista” e um inquérito de homicídio foi instaurado. Ainda segundo a polícia, o grupo republicano dissidente Novo IRA “provavelmente” seria o responsável pelos tiros que mataram a jornalista.

Outra jornalista local, Leona ONeill, escreveu no Twitter que estava perto de McKee quando ela caiu próxima a um carro de polícia. O’Neill ainda falou que a polícia socorreu a vítima a um hospital.

Continua depois da publicidade

No Twitter, O’Neill descreveu os conflitos entre a polícia e cidadãos. Bombas de gasolina, tijolos e garrafas foram arremessadas contra os agentes de segurança. Vídeos mostram veículos em chamas. Segunda a jornalista, a confusão teria começado após agentes de segurança vasculharem uma residência na região.

A morte e os conflitos aconteceram no mesmo dia em que a presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, visitou a cidade para comemorar vinte anos ao acordo de paz que os EUA ajudaram a criar. Ela disse que é vital manter a “fronteira aberta” entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte depois que o Reino Unido deixar a União Europeia.

O partido nacionalista irlandês Sinn Fein e o pró-Britânico Partido da União Democrática condenaram o assassinato da mulher. Sinn Fein o classificou como “um ataque contra toda a comunidade”.

AP
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade