Economia

Ofensiva da Rede pode ser ato anticompetitivo perante fintechs, diz Abipag

COMPARTILHE
18

O presidente da Associação Brasileira de Instituições de Pagamentos (Abipag), Augusto Lins, avalia a ofensiva da Rede, do Itaú Unibanco, como um “ato anticompetitivo com o objetivo de destruir as fintechs e inibir a competição” no mercado de maquininhas. Em nota à imprensa, divulgada na noite de ontem, 18, ele, que também é diretor comercial da novata Stone, uma das mais impactadas na bolsa após o anúncio da concorrente, classifica a iniciativa da número dois do setor como uma “propaganda duvidosa”.

Melhora externa e da cena política ajuda no recuo das taxas futuras de juros

Os juros futuros recuam na manhã desta terça-feira, 21, refletindo a melhora do humor...

Confiança da indústria cai 1,6 ponto em maio ante abril, aponta prévia da FGV

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) apurado na prévia da sondagem de maio...

Restrições dos EUA não prejudicarão desenvolvimento de tecnologia, diz Huawei

O fundador e executivo-chefe da Huawei, Reng Zhengfei, afirmou que o relaxamento de punições...

Para Lins, o fato de a Rede vincular a tarifa zerada de antecipação ao cliente que recebe seus pagamentos no Itaú representa “uma venda casada e uma política de preços predatórios”. “Ao invés de competir com as fintechs e insurgentes melhorando seus produtos e o serviço oferecido aos clientes, a estratégia do Itaú, com a Rede, é de usar seu poder econômico de forma abusiva para inibir a competição e restaurar o status de monopólio”, avalia o presidente da Abipag.

Ele diz não acreditar que “atitudes anticompetitivas” irão prosperar no Brasil no cenário atual. Lembra que os “reguladores vêm claramente adotando políticas de estímulo à transparência e à concorrência para que o mercado se desenvolva e novos entrantes tenham possibilidade de inovar, com benefício direto aos consumidores”.

Continua depois da publicidade

Lins afirma ainda que a Associação tomou conhecimento junto a clientes de que a oferta da Rede, anunciada para lojistas com domicílio bancário no Itaú e que fature menos de R$ 30 milhões por ano, é válida apenas para os que possuem um tipo específico de contrato, o plano Flex.

Ontem, a Rede informou, em resposta ao Broadcast, que está convicta de que a “medida beneficia milhões de clientes ao isentá-los de uma taxa que impacta de maneira relevante o pequeno e médio negócio, além de posicionar o mercado brasileiro em um patamar mais próximo das práticas internacionais”. A empresa se compromete ainda a não alterar os demais preços praticados nem oferecer qualquer tipo de subsídio para compensar a taxa zerada no serviço de antecipação.

A Abipag é formada por novas entrantes do mercado de meio de pagamentos eletrônicos. Dentre seus associados, estão, principalmente fintechs do setor de pagamentos como Stone, a sueca iZettle, First Data, GlobalPayments, Sum up dentre outras.

Aline Bronzati
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade