Política Nacional

Bolsonaro troca apadrinhado de Mourão por primo de Ciro em secretaria do Esporte

COMPARTILHE
74

O presidente Jair Bolsonaro mandou nessa quinta-feira (18), o ministro da Cidadania, Osmar Terra, demitir o general Marco Aurélio Costa Vieira do cargo de secretário especial do Esporte. O militar era apadrinhado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, que tentou mantê-lo na função.

O treino dos generais de Bolsonaro antes da política

Hamilton Mourão circula devagar pela arena com as mãos firmes nas rédeas de Ídolo...

O treino dos generais de Bolsonaro antes da política

Hamilton Mourão circula devagar pela arena com as mãos firmes nas rédeas de Ídolo...

Líder do governo minimiza impacto de texto compartilhado por Bolsonaro

O líder do Governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), minimizou o...

Para o lugar de Vieira na secretaria irá o general Décio dos Santos Brasil, que é primo do ex-governador Ciro Gomes (PDT). A indicação de Brasil passou pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e do chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, que também são generais. Ao fim, o próprio presidente teria chancelado o nome dele para a secretaria. Vieira caiu porque tentava articular a volta do Ministério do Esporte.

A relação entre o ministro Osmar Terra e o ex-secretário não estava boa. Na semana passada, o ministro não gostou de saber que o subordinado se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro sem comunicá-lo. Vieira atuou como diretor executivo de Operações dos Jogos Olímpicos do Rio e dirigiu o revezamento da tocha olímpica em 2016. Ele ficou 107 dias à frente da Secretaria Especial do Esporte. Procurado pela reportagem, não quis dar entrevista.

Continua depois da publicidade

Na semana passada, Osmar Terra tentou minimizar as especulações sobre a saída de Vieira e sinalizou que não haveria mudança. “Nossa dificuldade é juntar três ministérios em um e fazer funcionar lá na ponta. Não tem de ficar mudando secretários. Tem é de fazer eles trabalharem e todos estão.” Ele reconheceu, no entanto, um “jogo de interesses e de bastidores”, sem especificá-los. “Ele (Vieira) tinha uns assuntos dele, específicos, para tratar com o presidente.”

A secretaria do general Brasil tem um orçamento de R$ 500 milhões, de um total de R$ 97 bilhões do Ministério da Cidadania, e herdou as atribuições do extinto Ministério do Esporte. A estrutura da área foi reduzida no governo Bolsonaro. No início do ano, 211 cargos e funções foram transferidos para a Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia.

O órgão é responsável por autorizar a destinação de recursos da Lei de Incentivo ao Esporte, uma espécie de “Lei Rouanet” da área, que patrocina projetos por meio de renúncia fiscal com um teto anual de R$ 400 milhões.

Naira Trindade, Tânia Monteiro e Daniel Weterman
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade