Política Nacional

Bolsonaro diz que MST está mais fraco por causa de liberação de armas

COMPARTILHE
16

O presidente da República, Jair Bolsonaro, vinculou nesta segunda-feira, 15, a queda nas invasões no campo promovidas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), fenômeno revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo na edição desta segunda, à flexibilização da posse de armas de fogo, uma de suas promessas de campanha concretizada por decreto em janeiro. O presidente afirmou que a medida terá “derivações”, mas não pormenorizou quais. Há um lobby no governo federal para que sejam modificadas as condições restritivas do porte de armas, principalmente, para produtores rurais.

Haddad: não tem hipótese de ser cada um por si na esquerda em 2020

Candidato derrotado do Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito...

Carlos Bolsonaro e Major Olimpio trocam insultos nas redes sociais

Um dia após a Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) ter destacado a necessidade...

Gleisi, Haddad e Suplicy participam de ato por Lula em São Paulo

Apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniram na avenida Paulista, em...

“Incra registra só 1 ocupação no 1º trimestre diante 43 ações no mesmo período de 2018. O MST está mais fraco pela facilitação da posse de armas, iniciativa que terá derivações pelo governo, falta de financiamento do setor público e de ONGs, algo que não ocorria nos governos do PT”, escreveu Bolsonaro em sua conta oficial no Twitter.

A reportagem também mostra que o MST iniciará na quarta-feira o “abril vermelho”, série de ações para relembrar o massacre de Eldorado dos Carajás (PA), ocorrido em 17 de abril de 1996, mas pretende adotar ações alternativas às ocupações. Segundo João Paulo Rodrigues, um dos líderes nacionais dos sem-terra, a ideia é diminuir a tensão das eleições.

Continua depois da publicidade

Dirigentes do MST e coordenadores de entidades que monitoram conflitos agrários, como a Comissão Pastoral da Terra (CPT), entendem que há preocupação entre os sem-terra com a criminalização das ocupações, como defendido pelo governo Bolsonaro, e o incentivo ao uso de armas de fogo no campo. Dados da CPT revelam um aumento nos conflitos a partir de 2016. Em campanha no ano passado, Bolsonaro defendeu que fazendeiros têm o direito de abrir fogo contra invasores de entidades como o MST.

Felipe Frazão
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade