Política Nacional

Bolsonaro não vai deixar PSL, nem PSL vai deixar Bolsonaro, diz Joice Hasselmann

COMPARTILHE
14

A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (SP), creditou nesta segunda-feira, 15, a possível saída do presidente Jair Bolsonaro do PSL, partido de ambos, a intrigas internas e descartou essa possibilidade.

Vazamento de diálogos põe Brasília em alerta

"Telefone só serve para marcar reunião em lugar errado." A frase citada pelo deputado...

Juiz Bretas debate separação de Poderes no Twitter e cita passagem da Bíblia

O juiz federal Marcelo Bretas, que atua na 7ª Vara Federal Criminal do Rio...

Confio em Moro, mas confiança 100% é só em pai e mãe, afirma Bolsonaro

Um dia após novos vazamentos de conversas do ministro da Justiça, Sergio Moro, reveladas...

“Quando há uma declaração de algum integrante do PSL, que às vezes chega distorcida aqui dentro (no Palácio do Planalto), pode gerar algum ruído aqui ou acolá. Mas não há nenhuma informação sobre o presidente deixar o PSL ou o PSL deixar o presidente. Isso não existe. É intriga da oposição. E vejam que às vezes tem oposição dentro da própria casa, a gente tem que lembrar disso”, afirmou a parlamentar ao chegar para reuniões no Palácio do Planalto.

Em fevereiro, o jornal O Estado de S. Paulo noticiou que o clã Bolsonaro conversava com um grupo de políticos de direita sobre a refundação da União Democrática Nacional (UDN). A ideia era que o presidente e seus filhos parlamentares deixassem o PSL e migrassem para a UDN a fim de criar uma nova força na direita nacional. Na semana passada, o presidente teria relatado a dirigentes de outros partidos do Centrão, segundo o jornal O Globo, a intenção de deixar o PSL no futuro por causa de “confusões” internas.

Continua depois da publicidade

Bolsonaro filiou-se ao PSL, então uma sigla nanica, de última hora para disputar as eleições de 2018. Num acordo com o deputado Luciano Bivar (PSL-PE), chefão da legenda, um grupo de confiança de Bolsonaro assumiu o comando do partido temporariamente. Depois das eleições, Bivar retomou o controle do partido, às voltas com investigações sobre candidaturas laranjas e falta de apoio ao governo na própria bancada na Câmara, atualmente com 54 integrantes.

Felipe Frazão e Amanda Pupo
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade