Economia

Líder do PSL canta vitória por Orçamento impositivo e é rechaçado por oposição

COMPARTILHE
10

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), foi ao microfone da Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) tratar a votação do Orçamento impositivo como uma vitória para o governo de Jair Bolsonaro, após o fim da orientação dos partidos sobre a votação. Apenas o Novo e o PSDB orientaram para votar não.

Ofensiva da rede chancela discurso do Itaú que defendia pagamento em 2 dias

O contra ataque da Rede no setor das maquininhas, isentando a antecipação de recebíveis,...

Itaú diz que taxa zero na antecipação de recebíveis vale para qualquer cliente

O Itaú Unibanco e a Rede, braço de adquirência do banco, informaram ao Broadcast,...

Ofensiva da Rede pode ser ato anticompetitivo perante fintechs, diz Abipag

O presidente da Associação Brasileira de Instituições de Pagamentos (Abipag), Augusto Lins, avalia a...

“Essa é uma vitória trazida por esse parlamento com concordância do PSL e do governo”, disse Waldir que chamou também de “vitória espetacular”. “Mostra a que nível chega a democracia. Mostra que nosso presidente (Bolsonaro) tem a visão de um grande diplomata”, disse.

Na sequência, deputados da oposição rechaçaram Waldir. O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) disse a Waldir que a proposta é defendida pela oposição e que não caberia ao líder do PSL querer “ganhar em cima” da proposta no momento em que o governo não conseguiu retirá-lo da pauta. Já a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ) afirmou que a proposta “compete ao Parlamento” e não ao governo. “Essa proposta não tem a bênção de governo fascista”, afirmou.

Continua depois da publicidade

Mariana Haubert e Camila Turtelli
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade