Economia

Joice sobre diesel: não haverá política intervencionista neste País

COMPARTILHE
12

A líder do governo no Congresso Nacional, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), admitiu preocupação com o risco uma nova greve de caminhoneiros no País e pregou que o Palácio do Planalto não recuse o diálogo com a categoria, ou estará “perdido”. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro agiu pessoalmente parar barrar um aumento no preço do combustível pela Petrobras, o que derrubou o valor de mercado da petrolífera em R$ 32 bilhões. Apesar disso, a congressista nega que o governo vá implementar uma política intervencionista na estatal.

KLM fecha intenção de compra para até 35 jatos E195-E2, diz Embraer

A Embraer anunciou nesta quarta-feira, 19, ter assinado com a KLM Cityhopper contrato de...

Substitutivo da reforma da Previdência tem impacto fiscal relevante, diz Marinho

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que o texto do...

Investidor estrangeiro ingressa com R$ 134,669 milhões na B3 no dia 17

Os investidores estrangeiros ingressaram com R$ 134,699 milhões da B3 na última segunda-feira, dia...

“Não haverá política intervencionista nesse governo”, afirmou Joice, ao chegar no Palácio do Planalto para reunião na Casa Civil. “Risco de tudo sempre há neste País. Não é bom para ninguém uma greve dos caminhoneiros. Todos saem no prejuízo, inclusive a categoria dos caminhoneiros. As últimas manifestações foram bastante duras para a própria categoria. Tudo se resolve no diálogo. A grande maioria dos caminhoneiros está com o governo. Se a gente tensionar de uma forma a excluir o diálogo… Aí estamos perdidos.”

A deputada afirmou ser “totalmente liberal” e defendeu a livre regulação dos preços no mercado internacional, mas evitou criticar a decisão de Bolsonaro. Ela disse que o presidente manifestou preocupação com o tamanho do reajuste frente à inflação e outros indicadores econômicos. Segundo ela, Bolsonaro deseja saber se o aumento era justo e fazer ajustes. “Ele está tentando apertar um pouquinho um ou outro parafuso que está meio frouxo nessa questão dos combustíveis.”

Continua depois da publicidade

Joice creditou a decisão exlusivamente ao presidente, que se reúne neste momento com os ministros Bento Albuquerque, de Minas e Energia, Tarcísio Freitas, da Infraestrutura, Paulo Guedes, da Economia, Santos Cruz, de Governo, Floriano Peixoto, da Secretaria-Geral, além de Joaquim Levy, presidente do BNDES, e de Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras.

“O presidente está tratando com cuidado e sabe o que faz. Sou absolutamente liberal, acho que o mercado tem que dar conta de si mesmo. Agora, o presidente é absolutamente responsável pelas decisões que tomou. Se ele tomou tal decisão, ele sabe o que está fazendo. Não cabe à líder do governo questionar uma decisão do presidente da República”, afirmou Joice.

Felipe Frazão e Amanda Pupo
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade