Variedades

Uso de manteiga de karité em cosméticos dá independência a mulheres de Gana

COMPARTILHE
16

A marca inglesa The Body Shop está lançando no Brasil uma nova linha que tem como ingrediente principal a manteiga de karité. Além de trazer benefícios para cabelos, rosto e corpo, os produtos contribuem para mudar a realidade social e cultural de cidadãs de Gana.

Dois filmes levam a viagem em busca do desconhecido

No Instituto Moreira Salles (IMS), ocorre nesta quarta-feira, dia 17, mais uma sessão dupla...

Noites no hospital

A partir do dia 20 de agosto, as noites de quinta-feira, na Globo, serão...

MIS exibe 'Shoah', forte testemunho do Holocausto

Faz um ano que Claude Lanzmann morreu - em 5 de julho de 2018...

A manteiga de karité ganha uma linha própria agora, mas há 25 anos diversos produtos da companhia contêm o ativo que provém do programa de comércio com comunidades da Associação das Mulheres de Tungteiya, no norte do país. E há séculos as mulheres das aldeias da região usam o elemento vegetal para nutrir e proteger rosto, corpo, cabelo e lábios dos ventos quentes e secos do Saara.

As mulheres têm o destino traçado em Gana: devem se casar jovens e se tornar donas de casa. Todas suas escolhas são submetidas à vontade do marido, que é reconhecido como o provedor do lar. Com a produção da manteiga de karité, 640 mulheres de 11 aldeias conseguem mudar um pouco essa rota.

Continua depois da publicidade

“Abrimos uma conta para cada mulher. Ensinamos a sair da vila e ir buscar o dinheiro no banco, fazer transações bancárias, administrar o salário. Queremos que elas sejam independentes, então além da autonomia financeira oferecemos o entendimento para lidar com o dinheiro”, expçoca Anna-Maria Fati Paul, presidente executiva da Associação das Mulheres de Tungteiya. “Agora elas podem comprar livros, uniformes. É possível ver a felicidade no sorriso delas. Estão todas felizes, bonitas e bem vestidas.”

As mulheres responsáveis pela produção artesanal de manteiga de karité têm entre 25 e 55 anos. A técnica é passada pelas gerações, a partir dos 18 anos, elas podem fazer parte da cooperativa que produz 390 toneladas anualmente. Em 1994, quando Dame Anita Roddick, fundadora da The Body Shop, iniciou a parceria com o coletivo feminino eram extraídos cinco mil quilos por ano.

A The Body Shop não exige que a comunidade forneça o material com exclusividade. No entanto, Anna-Maria Fati conta que outras empresas já procuraram a comunidade, mas não ofereciam remuneração equivalente à paga pela indústria inglesa, que por isso, atualmente, é a única que compra dessa região em Gana.

Além da remuneração pelo extrato, a empresa de cosméticos paga um bônus que é destinado para projetos sociais. Já foram construídas sete escolas que atendem 1,2 mil alunos, também foram feitas melhorias no sistema de fornecimento de água e nos centros de saúde.

Produto natural

O extrato de Karité usado nessa nova linha da The Body Shop é totalmente natural e vegano, além disso a comunidade tem um programa para garantir que a extração seja sustentável.

O combustível usado no cozimento da manteiga provém da queima de madeira, porém são plantadas árvores específicas para esse destino e não ocorre o corte do karité, que nasce de maneira orgânica sem a intervenção humana. A associação também usa uma estufa especial que esquenta com três vezes menos combustível. A cooperativa também participa de comitês e promove fóruns para conscientizar sobre a preservação de árvores.

Gabriela Marçal
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade