Economia

IBC-Br e dólar dão viés de baixa a taxas futuras de juros

COMPARTILHE
15

Sem tirar o foco da reforma da Previdência, o mercado futuro de juros abriu nesta segunda-feira, 15, fazendo a leitura da queda do Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br) em fevereiro, que ajuda a balizar as apostas para a Selic. Ainda, acompanha a cotação do dólar, que recua em meio à correção da alta de sexta-feira, quando houve reação à intervenção do presidente da República, Jair Bolsonaro, na decisão da Petrobras de aumentar o preço do diesel. No período da tarde, Bolsonaro discute o assunto com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Decreto qualifica a Usina de Angra 3 no Programa de Parcerias de Investimentos

O governo federal editou decreto que qualifica a Usina Termonuclear Angra 3 no Programa...

Fundo credor Castlelake quer ficar com Atvos

Um dos fundos credores da Atvos, o americano Castlelake, estuda proposta para tentar salvar...

Até operadora em Angola está à venda

A estratégia da Oi é levantar entre R$ 6,5 bilhões e R$ 7,5 bilhões...

Com a semana mais curta por causa do feriado na sexta-feira, de Páscoa, o mercado também está na expectativa para saber o que a Câmara decidirá pautar primeiro na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para a terça: a votação da admissibilidade da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma da Previdência ou a PEC do Orçamento Impositivo.

O IBC-Br recuou 0,73% em fevereiro ante janeiro, na série com ajuste sazonal. A queda foi maior que a mediana das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast. Eles esperavam resultado entre -1,00% e +0,30% (mediana em -0,25%). É o menor patamar para o IBC-Br com ajuste desde maio do ano passado (133,15 pontos).

Continua depois da publicidade

Na Focus, na esteira dos dados mais recentes de inflação divulgados na última semana, os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA – o índice oficial de preços – em 2019 de alta de 3,90% para elevação de 4,06%. A projeção para o índice em 2020 seguiu em 4,00%. Para o Produto Interno Bruto (PIB), as projeções para 2019 passaram de 1,97% para 1,95% e, para 2020, de 2,70% para 2,58%.

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) subiu 1,00% em abril, após ter aumentado 1,40% em março. O resultado superou a mediana das estimativas (0,88%, num intervalo de 0,76% a 1,10%).

Às 10h29, o dólar à vista recuava 0,50%, a R$ 3,8690. O DI para janeiro de 2021 projetava taxa de 7,09%, ante 7,14% no ajuste de sexta-feira, e o DI para janeiro de 2023, 8,25%, de 8,27% sexta no ajuste.

Luciana Antonello Xavier
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade