Variedades

'No Brasil, estamos precisando de carinho, afeto, ou seja, amor'

COMPARTILHE
33

Autor das primeiras temporadas de “Malhação” e também de outras mais recentes, Emanuel Jacobina fala de seu trabalho agora à frente de “Malhação: Toda Forma de Amar”.

'Não foi fácil', diz Sandy após cantar doente em São Paulo

Após o show de Sandy e Junior realizado no Allianz Parque, em São Paulo,...

Gaby Amarantos leva pontos na cabeça após queda no palco em show

A cantora Gaby Amarantos sofreu uma queda durante show realizado no festival Lambateria, em...

Brasil é foco de campanha da Gucci a favor da causa transgênero

"Meu coração lateja o tempo todo. Você sempre me disse que queria ser sepultada...

Como surgiu a ideia dessa trama, que gira em torno de uma mãe adolescente e uma família que adota seu bebê?

Eu quis contar a história de duas mães que amam uma criança com a mesma intensidade, mas de maneiras diferentes, do ponto de vista da mãe biológica e da que adotou. A ideia é construir uma trama em que, por meio de diferentes tipos de relação, o amor é o sentimento que predomina, em especial a amizade.

Continua depois da publicidade

Qual a importância de se tratar temas como a adoção na TV?

Sempre quis escrever uma história que envolva adoção, acho importante apresentar a força e a grandeza do significado dessa atitude.

Por que você escolheu esse subtítulo para a nova temporada: “Toda Forma de Amar”?

As diversas formas de relacionamento serão tratadas com realismo, seriedade, profundidade. Mas também com humor. Escolhi Toda Forma de Amar porque no Brasil estamos todos precisando de carinho, aconchego, compreensão, afeto, ou seja, amor.

A personagem Rita e outros jovens se veem unidos após testemunharem uma situação dramática. Por que essa situação os unirá?

Os jovens se unem porque testemunham um crime e não sabem como lidar com o fato que presenciaram. Unem-se para se manterem informados e para se apoiarem. Na verdade, o medo os uniu.

Você esteve à frente das primeiras temporadas de “Malhação” e retornou à autoria da novela em 2010, 2015, 2016 e agora em 2019. Os jovens e adolescentes mudaram muito de lá para cá. Qual o desafio de atrair essas faixas etárias de espectadores, que atualmente estão fortemente presentes nas redes sociais, no YouTube e nos serviços de streaming?

O desafio é sempre grande e implica em ter conteúdo dramático ao mesmo tempo intenso e inovador. Acredito que, quando se tem isso, o público das redes sociais vem em massa, e tenho certeza, pela qualidade da história, pela qualidade dos diálogos, pela qualidade do elenco, pela qualidade da direção e pelo padrão excepcional de todas as pessoas envolvidas nessa produção, que o público vai amar.

No ano que vem, “Malhação” completa 25 anos. Qual o segredo da produção se manter há tantos anos no ar?

Malhação é a única produção diária de ficção audiovisual serializada, ou seja, a única novela que aborda o mundo oferecendo pontos de vista de jovens, e não apenas os jovens como protagonistas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Adriana Del Ré
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade