Segurança

“Ela não queria levar o relacionamento à frente”, diz irmão de Jane Cherubim

COMPARTILHE
3606
Advertisement
Advertisement

Perguntando pela reportagem do AQUINOTÍCIAS.COM, se Jane já havia comentado sobre o comportamento do agressor, Jonas Amaral, 34 anos, o irmão da vítima, Salvador Cherobin, 44, afirmou que Jane Cherubim, 36, já demonstrava insatisfação no relacionamento.

Polícia Federal orienta delegados a suspender operações durante pandemia

A Polícia Federal (PF) reduziu o número de operações de combate à corrupção e...

PRF apreende mais de meia tonelada de maconha na BR-101, em Itapemirim

No início da noite desta sexta-feira (3) a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu mais...

Vigilante é indiciado por se passar pela vice-governadora do ES para obter vantagem política

A Delegacia Especializada em Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC) indiciou um vigilante de 38 anos, morador...

“Ele era um cara bacana, muito prestativo, jamais iriamos imaginar uma tragédia dessas, mas ele era extremamente ciumento. Ela comentou há um tempo atrás com minha esposa que não pretendia levar o relacionamento à frente por conta do ciúme que ele tinha. Ela nunca revelou agressões que tenha sofrido durante o relacionamento. Não sei em que momento ela pretendia deixar ele, mas ela já estava percebendo que aquela possessividade não estava fazendo bem à ela”, contou Salvador.

Salvador afirmou, ainda, que Jane está com muito medo do agressor ir até ao hospital e concluir o que não conseguiu: matá-la. “Ela está muito insegura, estamos revezando com dois acompanhantes por período, nosso advogado já está entrando com a medida protetiva e reforço na segurança do hospital, o que mais desejamos agora, é o Amaral na cadeia. O que ele fez foi surreal”, disse.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Jane foi brutalmente agredida, violentada e abandonada em uma rodovia de Forquilha do Rio, em Dores do Rio Preto. Ele teve o rosto desfigurado e deve receber alta nos próximos 15 dias.

“Não se pode esperar até que aconteça”

“É preciso que a mulher denuncie logo no primeiro caso de violência, seja física ou uma ameaça. Não se pode esperar até que aconteça o pior. Tem que denunciar. É importante também as mulheres vítimas de violência procurar tratamento psicológico, para que tenha forças para se livrar dessa situação e seguir em frente”, disse a delegada Edilma Oliveira.

Advertisement