Emancipação política

“Ampliamos o diálogo com a classe artística", diz secretária de Cultura de Cachoeiro

COMPARTILHE
339

Entrando no terceiro ano de governo, a secretária de Cultura e Turismo de Cachoeiro de Itapemirim, Fernanda Maria Merchid Martins Moreira, destacou em entrevista ao AQUINOTICIAS.COM quais ações de incentivo à produção cultural o município oferece aos artistas da ‘Atenas Capixaba’ e também falou sobre atividades de maior relevância para a população.

AQUINOTICIAS.COM, 10 anos presente na vida dos cachoeirenses e da população do Sul do ES

Nascido em 2009, da necessidade de um veículo de comunicação que valorizasse as informações...

A nova geração cultural de filhos ilustres da ‘Capital Secreta’

Cachoeiro de Itapemirim sempre foi considerado um berço de artistas em todos os seguimentos...

Bienal Rubem Braga: a pérola literária do Espírito Santo

Entre suas muitas preciosidades, Cachoeiro de Itapemirim – berço da cultura Sul capixaba –...

A secretária conta como o município utiliza a Lei Rubem Braga de incentivo à cultura, para projetos musicais e artísticos mais populares e fala dos projetos que podem contribuir para a descoberta de novos talentos e o fortalecimento dos atuais. Confira a entrevista!

AQUINOTICIAS.COM – Quais as ações de incentivo à cultura que o município oferece?

Continua depois da publicidade

Fernanda Martins – Cachoeiro orgulha-se de ser, além da capital Vitória, a única cidade a ter leis próprias de fomento cultural. A Lei Rubem Braga – 7.410/2016 (no edital 2017 aportou R$ 474.085,00 dos R$ 500 mil previstos; o edital 2018, em processo de pagamento, prevê R$ 575.915,00, e o edital 2019, que em breve será lançado, prevê R$ 600 mil para os projetos selecionados). A Lei Mestre João Inácio – 5.388/2002 – 6.691/2012 de incentivo aos mestres da cultura popular (em 2017 aportou R$ 121.440,00; em 2018 aportou o valor de R$ 119.130,00 e tem previsão de aporte no valor de R$ 124.872,00 para 2019, assim que seja terminada sua revisão e modernização).

Além destas duas leis de fomento, a SEMCULT trabalha desde o início desta gestão com editais de fomento:

  • Credenciamento para apoio em eventos e festas populares – R$ 125 mil – que visa apoiar as festas tradicionais do município;
  • Credenciamento de artistas – R$ 288.125,00 – que tem seu foco em artistas da terra que não tem documentação para contratação via inexigibilidade;
  • Credenciamento para Ocupação dos Centros Culturais – que começou com uma instituição credenciada em 2018 – R$ 16.500,00 e três credenciadas no edital 2019 – R$ 49.500,00;

Também mantemos projetos de incentivo ao fazer artístico em crianças e jovens (Projeto Novos Talentos), projetos de registro histórico via Arquivo Público Municipal de Cultura (Cachoeiro de Memória), os projetos Pré-Bienal de incentivo à leitura (Pé de Livros e Encontros de Literatura).

Como o município pode contribuir para a descoberta de novos talentos e o fortalecimento dos atuais?

Como já citado, o Projeto Novos Talentos oferece aulas de violão, teclado, canto coral e bordados à comunidade em geral, despertando talentos e aptidões para a área artística.

Também cito o Edital de Credenciamento de artistas, feito especialmente para impulsionar o artista local em diversas áreas, e que ainda não tem profissionalizada sua carreira. Estão contempladas as áreas do teatro, música, cosplay, dança e contação de histórias.

Como aproximar a Lei Rubem Braga de projetos musicais e artísticos mais populares?

A Lei Rubem Braga é próxima de todos os projetos que se apresentem dentro dos critérios e exigências do edital. Financia propostas que consideramos muito populares como, por exemplo, gravação de DVDs. Talvez a questão maior seja trabalhar no aprofundamento de justificativas e embasamento técnico na elaboração das propostas apresentadas, para que a lei seja cada vez mais competitiva e financie um número cada vez maior de projetos.

O que mudou na cultura de Cachoeiro nesses dois anos?

Tivemos mudanças significativas no andamento dos processos, no planejamento e instituição de normas e procedimentos que democratizaram e trouxeram isonomia às relações com a administração pública, imprescindíveis para as políticas públicas de gestão de cultura. O uso de editais como ferramentas para estabelecer estas relações são exemplo disso. Ampliamos o diálogo com a classe artística, modernizamos as leis de fomento. Também lançamos projetos importantes que incentivam os jovens à produção cultural e que impulsionam o movimento artístico da cidade. Exemplos disso são os projetos “Novos Talentos” e o Edital de Ocupação dos Centros Culturais, que dialoga com instituições para que o protagonismo da sociedade civil se estabeleça para o incremento da Cultura no município, através de convênios.

Cachoeiro é uma cidade rica em cultura, com vários filhos ilustres nos cenários nacional e mundial. Dessa forma, como esta área está alinhada com o turismo?

A parte mais forte do nosso turismo hoje são os projetos de Educação Patrimonial, que trabalham justamente com esse recorte: visitação dos centros culturais, monumentos e personagens importantes. Os dois circuitos urbanos “Viva Cachoeiro a pé” e “Doce terra onde nasci” têm apresentado números relevantes de participação. Paralelamente a isso, estamos trabalhando no crescimento do turismo rural e de aventura em parceria com as secretarias de Agricultura e Interior e Esportes e com o turismo industrial em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

O município tem resgatado eventos culturais e incentivado os moradores sobre a importância dessas datas. Em 2019, a Festa de Cachoeiro será mais uma vez o resgate da tradição e cultura da cidade?

Sempre! É papel fundamental da SEMCULT o enraizamento e perpetuação das tradições artístico-culturais da cidade. A Festa de Cachoeiro, desde sua primeira organização em 2017 já se preocupou com este resgate e com a manutenção de nossas tradições, tal como Newton Braga idealizou.

Publicidade