Cidades

Alunos se perfuram com agulha descartada irregularmente perto de escola em Jerônimo Monteiro

COMPARTILHE
2591

Estudantes de uma escola municipal de Jerônimo Monteiro, localizada em Parada do Cristal, foram encaminhados para o hospital de Cachoeiro de Itapemirim depois de se perfurarem com medidor de glicose usado por pacientes em tratamento de diabetes.

Bairro São Lucas, em Cachoeiro, receberá investimento de mais de R$ 2,4 milhões em pavimentação

Em breve, o bairro São Lucas, em Cachoeiro, será contemplado com mais uma série...

Câmara de Guaçuí homenageia Dia do Exército, da Polícia Militar e de Tiradentes

Em sintonia com as comemorações do Dia do Exército, Polícia Militar e Tiradentes, que...

Última semana para indicação de candidatos a Cachoeirense Ausente

O prazo para indicação de candidatos ao título de Cachoeirense Ausente Nº 1 de...

Dez alunos, com idade entre 10 e 11 anos encontraram o aparelho chamado de lanceta descartado irregularmente em um terreno baldio cerca de dois quilômetros de distância da escola. No horário do recreio, da última sexta-feira (15), eles começaram a se furar com o aparelho.

Os gestores da escola, ao saberem do fato por um dos alunos, recolheram o medidor e acionaram os responsáveis das crianças. Os alunos foram encaminhados ao hospital da cidade.

Continua depois da publicidade

Depois de realizado atendimento inicial, as crianças foram conduzidas para o Hospital Infantil Francisco de Assis de Cachoeiro do Itapemirim (Hifa). No Hifa,os alunos realizaram os procedimentos necessários para evitar qualquer tipo de contágio de doença transmíssivel por contato sanguíneo.

O secretário municipal de Educação de Jerônimo Monteiro, Vilmar Lugão de Brito, explicou que após realizados todos os procedimentos pertinentes e cabíveis, a Secretaria municipal de Saúde do município vai realizar acompanhamento dos alunos. Vilmar entende que o descarte dos materiais da maneira como foi realizada é uma atitude irresponsável.

“Essa atitude de quem lançou esses materiais em via pública foi completamente irresponsável, os órgãos pedem que esse tipo de materiais sejam descartados em locais próprios para evitar uma situação preocupante como esta. O mais importante é que descobrimos o fato em tempo porque uma das crianças informou a uma professora. Foi um susto que passamos” finalizou o gestor.

Publicidade