Política Nacional

Paulo Coelho conta como foi torturado durante a ditadura militar

COMPARTILHE
59
Advertisement
Advertisement

Em artigo escrito para o The Washington Post e publicado nesta sexta, 29, o escritor brasileiro Paulo Coelho descreveu a tortura que sofreu durante a ditadura militar. Autor de O Alquimista, entre outras obras que se tornaram best-sellers internacionais, Paulo Coelho era, à época, compositor.

Ação popular pede suspensão imediata dos R$ 10 mi em auxílio-alimentação da Alesp

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs protocolou ação popular nesta sexta-feira, 13, na qual pede...

Bolsonaro: Eduardo está em Jerusalém inaugurando escritório de negócios da Apex

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira, 13, em frente ao Palácio da Alvorada,...

Ex-colegas de Moro pedem veto a juiz de garantias no pacote anticrime

A Associação dos Juízes Federais do Brasil enviou na quarta-feira, 11, ao ministro Sérgio...

Paulo Coelho escreve que sua casa foi invadida no dia 28 de maio de 1974 e ele foi levado ao DOPS (Departamento de Ordem Política e Social), fichado e fotografado. Liberado pouco depois, pega um táxi, que é fechado por outros dois carros, e ele é tirado de lá por homens armados. Apanha no caminho, depois na sala de tortura. Quando permitem que ele tire o capuz, se dá conta de que está numa sala a prova de som com marcas de tiro nas paredes. A tortura segue, ele conta.

“Depois de não sei quanto tempo e quantas sessões (o tempo no inferno não se conta em horas), batem na porta e pedem para que coloque o capuz. (…) Sou levado para uma sala pequena, toda pintada de negro, com um ar-condicionado fortíssimo. Apagam a luz. Só escuridão, frio, e uma sirene que toca sem parar. Começo a enlouquecer, a ter visões de cavalos. Bato na porta da ‘geladeira’ (descobri mais tarde que esse era o nome), mas ninguém abre. Desmaio. Acordo e desmaio várias vezes, e em uma delas penso: melhor apanhar do que ficar aqui dentro.”

Advertisement
Continua depois da publicidade

Paulo Coelho dá todos os detalhes sobre o que sofreu e conta ainda que anos mais tarde, quando os arquivos da ditadura foram abertos, ele teve a chance de saber quem o denunciou, mas não quis. “Não vai mudar o passado”, escreve.

O escritor teve a iniciativa de publicar essa história quando o presidente Jair Bolsonaro sugeriu que os quartéis celebrassem o dia 31 de março, data que marca o golpe militar de 1964, e também porque Bolsonaro disse, no Congresso, que Carlos Alberto Brilhante, “um dos piores torturadores”, nas palavras de Paulo Coelho, era seu ídolo.

Maria Fernanda Rodrigues
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Advertisement
Publicidade