Economia

Juros fecham em alta com novos sinais negativos para a Previdência

COMPARTILHE
15

A frustração do mercado com o cancelamento da participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, para esclarecer dúvidas dos parlamentares, anunciado ainda pela manhã desta terça-feira, 26, colocou os juros de médio e longo prazos em trajetória de alta até o fim da sessão regular. Já as taxas curtas oscilaram moderadamente e terminaram perto dos ajustes de segunda-feira, uma vez que a ata do Copom apenas reforçou a percepção de que a Selic deve ficar estável nos próximos meses, embora parte dos profissionais continue vendo espaço para um corte na taxa básica.

Moeda do Facebook terá de ser regulada, diz Fed

Anunciada nesta semana, a libra, moeda digital do Facebook, estará sujeita a regulação, disse...

Criada há 5 anos, Akqa leva 2º Grand Prix

Um nome diferente vem aparecendo com mais frequência na lista das premiações mais importantes...

'Política monetária deve focar em inflação', diz Figueiredo, da Mauá Capital

O Comitê de Política Monetária (Copom) erra ao atrelar a sua política monetária à...

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou em 6,465%, de 6,450% de segunda no ajuste, e a do DI para janeiro de 2021 terminou na máxima de 7,09%, de 7,021% de segunda no ajuste. A taxa do DI para janeiro de 2023 subiu de 8,172% para 8,24% e a do DI para janeiro de 2025 encerrou em 8,83%, de 8,762%.

As taxas estavam em baixa logo após a abertura, dando sequência ao voto de confiança dado na segunda-feira ao governo na questão da Previdência quando o presidente Jair Bolsonaro pediu aos ministros “foco total” no tema esta semana. Mas o clima azedou ainda pela manhã quando anunciado o cancelamento da participação do ministro na CCJ, que argumentou ser necessário primeiro a definição do relator.

Continua depois da publicidade

O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), disse que o relator deve ser definido esta semana. Houve acordo para que Guedes compareça à Comissão na quarta-feira da próxima semana, dia 3, ainda “a convite”.

O economista da Necton Investimentos, André Perfeito, diz que, como a CCJ não está pacificada, “o ideal seria mesmo Guedes não ir antes da definição do relator. “Mas o problema é que ele disse que ia. Sua ‘não ida’ criou uma situação mais difícil porque os deputados estão se sentindo desprestigiados. E Congresso não se desprestigia, é arrumar encrenca. O custo de aprovação das reformas tende a ficar mais caro”, afirmou.

Outra notícia mal recebida pelo mercado foi a de que Bolsonaro estava no cinema pela manhã, enquanto a Economia divulgava que Guedes não iria à CCJ. Fontes nas mesas de operação viram o fato como um ‘despropósito’ diante da crise política, um dia depois do presidente pedir ampliação dos esforços a seus ministros para defender a proposta.

Na ponta curta, os movimentos foram mais contidos. A ata do Copom foi considerada em linha com o que já havia trazido o comunicado, sinalizando que o Banco Central deve demorar a mexer na Selic. Diante de tantas turbulências no cenário político, a mensagem é de que o melhor é deixar como está, mesmo porque o Copom considera que a taxa de 6,50% segue em patamar estimulativo.

Denise Abarca
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade