Economia

Netflix aumenta preço de assinatura no Brasil

COMPARTILHE
The Netflix Inc. website and logo are displayed on laptop computers arranged for a photograph in Washington, D.C., U.S., on Tuesday, Jan. 21, 2014. Netflix Inc., the largest subscription streaming service, is expected to release earnings data on Jan. 22. Photographer: Andrew Harrer/Bloomberg via Getty Images
460

O serviço de streaming de vídeo Netflix confirmou ontem ao Estado que aumentará o preço da assinatura da plataforma no Brasil. O preço terá aumento de 10% a 21%: o plano básico e individual passará de R$ 19,90 mensais para R$ 21,90.

Bolsas da Europa fecham em queda com preocupação com economia global

Os mercados acionários da Europa fecharam em queda nesta segunda-feira, 25, ainda pressionados por...

Marinho: saldo de emprego formal foi positivo em 173.139 vagas em fevereiro

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, anunciou...

Em reunião, Bolsonaro pede foco na reforma e pacificação no Congresso

Em reunião com ministros na manhã desta segunda-feira, 25, o presidente da República, Jair...

Atualmente, a Netflix oferece três planos no Brasil: além do individual, há um no qual duas telas podem usar a mesma conta simultaneamente e outro que oferece quatro telas e resolução 4K (Ultra HD). O plano intermediário, que custava R$ 27,90, agora sairá por R$ 32,90 ao mês. Já o mais caro subiu de R$ 37,90 para R$ 45,90.

“Mudamos nossos preços de tempos em tempos para continuar investindo no melhor do entretenimento, além de melhorar a experiência da Netflix para nossos membros no Brasil”, disse a empresa, em nota.

Continua depois da publicidade

A última vez que o preço da assinatura da Netflix havia aumentado no Brasil foi em 2017. Houve ajuste de valores também em 2013 e 2015.

Situação

Em janeiro, a empresa anunciou aumento de preços no exterior – o Brasil havia ficado de fora da lista.

Alguns países, como os EUA, sofreram reajuste de 13% a 18% no valor das assinaturas – o plano básico, que antes saía por US$ 8, passou para US$ 9 por mês no país. À época, a Netflix afirmou que o reajuste foi uma forma de financiar a produção de conteúdo original.

Hoje, a empresa tem dívidas na casa de US$ 12 bilhões e 139 milhões de assinantes em todo o mundo, segundo dados também divulgados em janeiro.

Em breve, a empresa deve ganhar rivais de peso: Apple e Disney estão prestes a revelar detalhes sobre seus serviços de streaming de vídeo, que deverão ser lançados nos próximos meses.

Giovanna Wolf
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade