Geral

Major Olimpio volta a criticar política desarmamentista: 'picaretagem'

COMPARTILHE
15

O líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP), disse nesta quinta-feira, 14, não se arrepender de ter afirmado na quarta-feira, 13, que o massacre em uma escola de Suzano poderia ter sido minimizado se algum funcionário portasse arma de fogo. Ele voltou a defender a posse e o porte e rebateu o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que declarou nesta quarta-feira que a defesa do porte de arma nestas situações levaria a uma “barbárie” no País.

O que se sabe sobre o vídeo da Momo, que causou pânico no Brasil

Nos últimos dias, pais e mães se angustiaram diante do boato de que vídeos...

Inep libera espelhos da redação do Enem 2018

Os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 já podem ter acesso...

Buracos e placas encobertas por árvores incomodam motoristas em SP

Motoristas que trafegam pela capital paulista demonstram receio em razão de acidentes que podem...

“(Não me arrependo) De jeito nenhum. Quanto mais intensa minha fala… A população sabe o que estou falando. Rodrigo Maia é desarmamentista, ele tem compromisso com a esquerda, como foi para não pautar a flexibilização do Estatuto do Desarmamento. O compromisso dele é de fazer ‘oba-oba’ com a esquerda”, disse o senador.

Durante sessão da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado, Major Olimpio disse que “se tivesse um cidadão com uma arma regular dentro da escola, professor, servente, policial aposentado trabalhando lá, ele poderia ter minimizado o tamanho da tragédia”.

Continua depois da publicidade

O senador também atacou fortemente o Estatuto do Desarmamento e os críticos do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro que flexibilizou as regras para obtenção da posse de arma. Para o parlamentar, apesar do decreto presidencial, a legislação continua muito restritiva e peca por omissão.

No final da tarde de quarta, Maia disse que a segurança pública não é responsabilidade do cidadão. Para ele, se o Estado não está dando segurança à população, a responsabilidade é do gestor público da área de segurança.

“O que eu espero é que alguns não defendam que, se os professores estivessem armados, teriam resolvido o problema. Pelo amor de Deus. Espero que as pessoas pensem um pouquinho primeiro nas vítimas dessa tragédia e depois compreendam que o monopólio da segurança pública é do Estado.”

Nesta quinta-feira, o líder do partido de Bolsonaro chamou de “picaretagem” a política desarmamentista, avaliou que ela “tirou a possibilidade de defesa do cidadão e deu a certeza para o marginal” e criticou Maia.

“Conheço a tragédia lá na ponta, não o presidente da Câmara, que desde pequeno estava andando com motorista e carro blindado do pai e hoje está em carro blindado. Esse sabe o que é a vida? Vai ver o cidadão como está na mão do criminoso”, disse o senador.

Na avaliação do senador, os criminosos respeitam forças iguais ou maiores que as deles. “Não é violência, é força. Para parar uma agressividade daquela natureza só com instrumento que fosse correspondente para isso. O que eu disse que se tivéssemos porte de arma legal e responsável. Porque o porte de arma existe para o criminoso aos milhões”, afirmou.

O senador também negou que seus posicionamentos e sua intenção de priorizar no Senado a pauta de segurança pública e o combate à corrupção poderiam atrapalhar o andamento da agenda econômica do governo. “Não é por causa de reforma ou não reforma que eu vou deixar de dizer as verdades que eu digo há 41 anos que sou policial”, declarou.

“Não tem nada a ver uma coisa com a outra: discutir uma pauta de segurança pública e meus posicionamentos em relação a isso com a necessária reforma econômica. Mas precisamos fazer reflexão do que está acontecendo.”

Teo Cury
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade