Dores do Rio Preto

Veja como foi o desfile da escola “Chegou o que Faltava” que homenageou Pedra Menina

COMPARTILHE
468

Pedra Menina, distrito de Dores do Rio Preto, foi homenageada no carnaval de Vitória na última sexta-feira (22). A Associação Carnavalesca e Escola de Samba Chegou o que Faltava levou para o Sambão do Povo as belezas naturais da região do Caparaó. (Veja galeria de fotos no final da matéria)

Estrada turística de Pedra Menina está sucateada e população pede melhorias

A situação é precária na ES 190, que faz parte do programa “Caminhos do...

Feriadão começa com festival “Acorde no Caparaó” em Pedra Menina

O palco já está montado, as bandas afinadas e o público ansioso pelo início...

Durante briga, homem atira quatro vezes e foge em Dores do Rio Preto

A Polícia Militar apreendeu um revólver calibre 38, com numeração raspada, próximo a um...

A escola azul, rosa e branco foi a penúltima a desfilar e contagiou o público. A agremiação levou para avenida 1.200 componentes, 13 alas e três carros alegóricos. Pelo terceiro ano consecutivo, o blogueiro carioca David Brazil marcou presença no desfile da Chegou o Que Faltava.

O enredo contou a história da índia da tribo dos Puris que foi transformada em pedra para se proteger de invasores que vieram de além-mar para escravizar os índios.

A lenda de Pedra Menina

Continua depois da publicidade

A lenda retrata que Tamandaré, sobrevivente do dilúvio, teve a responsabilidade de repovoar a terra. Prevendo inundações futuras, abandonou o litoral e foi morar nas montanhas. Teve vários filhos, dentro dos quais se destaca uma menina morena chamada Grauna, de beleza rara com cabelos negros, devotada a Rudá, Deus do amor.

Um dia, apareceu um carro de fogo onde desceram figuras que se impressionaram com a beleza das mulheres, um deles tentou seduzir Grauna. Fugindo do assédio, a menina se escondeu na mata e rezou para que Ruda a escondesse. Rudá, atendendo ao pedido, transformou-a em “Pedra Menina” e ele foi transformado em árvore andante e a procura atá hoje nas matas do Caparaó.

Publicidade