Geral

Saiba quem é a mulher que ajudou a tirar motorista após acidente com helicóptero de Boechat

COMPARTILHE
1349

A cena do helicóptero caindo do céu não sai da cabeça de Leiliane Rafael da Silva, 28. A vendedora de veículos e camelô não conseguiu dormir na noite após o acidente entre uma aeronave e um caminhão, que matou o jornalista Ricardo Boechat, 66, o piloto Ronaldo Quattrucci, 56, e que deixou o caminhoneiro João Adroaldo, 52, com ferimentos leves.

Em duas semanas, número de casos de dengue mais que dobra em São Paulo

O número de casos de dengue confirmados mais do que dobrou no Estado de...

Rapaz sufocado e morto em supermercado é enterrado no Rio

O corpo de Pedro Gonzaga, jovem de 19 anos morto pelo segurança do supermercado...

Falsa bomba mobiliza polícia e assusta moradores de Santos

Uma falsa bomba mobilizou neste sábado, 16, policiais militares, incluindo uma equipe do Grupo...

Ela é a mulher do vídeo que viralizou nas redes sociais em que, sozinha, estoura um vidro e abre a porta do caminhão para salvar o motorista, enquanto um grupo majoritariamente masculino filmava o momento. “Estou orgulhosa de mim, mas sinto que poderia ter feito mais alguma coisa”, diz Leiliane, em entrevista à Universa.  Sentada na calçada.

Imagem: André Lucas/UOL

Desde que seu vídeo ocupou as redes sociais, o celular de Leiliane não para de tocar. “Tenho muitas solicitações de amizade, mensagens no Instagram. Tem até jogador da Red Bull querendo falar comigo”, fala, não querendo revelar o nome do esportista. No entanto, Leiliane nega o título de heroína.

Continua depois da publicidade

“Pelo amor de Deus. Eu fiz o mínimo, que foi ajudar uma pessoa que estava viva depois de um acidente. É amor ao próximo, mas as pessoas estão mais preocupadas em gravar vídeos para mandar no grupo do Whatsapp”, afirma a jovem.  Uma das pessoas que estava com o celular em punho, gravando os detalhes no momento do acidente, era o marido de Leiliane, o operador de máquinas Marcio Manuel da Si.

Colocando a vida em perigo: Leiliane está à espera de uma cirurgia A preocupação de Marcio não é infundada. Leiliane descobriu, quando deu à luz sua filha mais nova, Livia, de quatro meses, que tem malformação arteriovenosa (MAV). No parto, ela teve uma convulsão. Por causa do problema, ficou um mês internada em dezembro e está na fila do SUS para fazer a cirurgia intracraniana. Toda quinta-feira, religiosamente, ela vai ao hospital para ver se consegue um encaixe para fazer a intervenção. “Já desmarcaram a operação quatro vezes”, explica. LEIA MAIS 

 

Publicidade