Política Regional

Primeiro Projeto de Lei de Contarato visa acabar com a impunidade em crimes de trânsito

COMPARTILHE
Foto: Montserrat
598

Nesta quarta-feira (6), o Senador Fabiano Contarato (Rede) assinou seu primeiro Projeto de Lei. Altera dispositivo do Código de Trânsito Brasileiro. Contarato quer fazer valer, de fato, as penas de prisão  de motoristas que provocarem mortes ou lesões pelo alcoolismo ou por uso de entorpecentes. Quer evitar que as condenações continuem sendo convertidas em penas alternativas à prisão.

COISAS ESTRANHAS NA CÂMARA DE IÚNA

Estão acontecendo coisas estranhas na Câmara Municipal de Iúna. Na sessão realizada no último...

Maioria dos vereadores aprova compra de veículo de R$ 80 mil para Câmara de Iúna

A Câmara Municipal de Iúna acaba de aprovar o projeto de Lei nº 27/2019,...

Vidigal defende Reforma da Previdência que não penalize trabalhadores

O deputado federal Sérgio Vidigal (PDT-ES) manifestou críticas à Reforma da Previdência, nesta quarta-feira...

Hoje, dentro da atual legislação, um motorista que matar alguém estando na direção de um veículo automotor ou lesionar alguém sob a influência do álcool ou qualquer substância de efeito psicoativo que determine dependência, ele mesmo condenado a pena de reclusão, não irá ficar preso nem um dia. “É lamentável, é uma injustiça. Não é nem a sensação, mas a certeza da impunidade. Com esse projeto que acabo de assinar, nós vamos corrigir isso. O motorista que sob o estado de embriaguez matar ou lesionar alguém poderá pegar até oito anos de reclusão e não terá direito de substituição dessa pena de prisão pelas chamadas penas restritivas de direito”, destacou o senador.

O Projeto propõe alterar a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, do Código de Trânsito Brasileiro, para dispor sobre a substituição de pena dos crimes previstos no §3º do art. 302 e §2º do art. 303.

Continua depois da publicidade

Com a substituição proposta, o Código de Trânsito Brasileiro passa a vigorar acrescido do “art. 302-B – Aos crimes previstos no §3º do art. 302 e no §2º do art. 303 deste Código, não se aplica o disposto no inciso I do art. 44 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro. (NR)”.

Quem ganha com isso é a sociedade. Sabemos que a segurança pública é direito de todos e dever do estado e que o principal meio jurídico que tem que ser defendido por todos é a vida humana e o respeito à integridade física. Esse foi um dos compromissos que eu assumi durante a campanha e que agora está se tornando realidade”, afirmou Contarato.

Mais detalhes do Projeto de Lei podem ser acessados em https://issuu.com/ascomcontarato/docs/projeto_de_lei

Publicidade