Política Regional

Prefeito de Iúna conta como equilibrou as contas e investiu em melhorias na cidade

COMPARTILHE
1382

Em entrevista ao AQUINOTICIAS.COM, o prefeito de Iúna, Weliton Virgílio Pereira, o “Coronel Weliton”, contou como fez para vencer o grande desafio de equilibrar as contas públicas do município, possibilitando captação de investimentos em outras esferas governamentais para melhorias na cidade. Confira a entrevista!

Kennedy: TCE rejeita recurso e determina que Reginaldo Quinta devolva R$ 293 mil aos cofres públicos

O Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE) rejeitou recurso do ex-prefeito de Presidente...

Pela hora da morte: Prefeitura de Marataízes lança edital para comprar 705 caixões

A Prefeitura de Marataízes lançou edital para aquisição de até R$ 500 mil em...

Deputada Iriny quer título de Cidadão Espírito-Santense para Jean Wyllys e fundador do MST

A deputada Iriny Lopes (PT) criticou da tribuna, na sessão de terça-feira (11), a...

AQUINOTICIAS.COM – Quais foram os maiores desafios que o senhor teve ao tomar posse como prefeito?

Coronel Weliton – Primeiro, gostaria de agradecer, inicialmente a Deus por permitir que esse projeto dele esteja acontecendo na minha vida. Também agradeço ao vice-prefeito Uledir Tiengo, todo o secretariado, as pessoas que fazem parte da Administração e todos os funcionários públicos. As dificuldades são muitas e a gente não as resolve sozinho. O principal problema é o equilíbrio financeiro do município. Porque se não tivermos as contas saneadas, definitivamente as outras políticas públicas não poderão ser contempladas. Compreendemos que o maior desafio é, realmente, o equilíbrio das contas públicas porque delas que decorrem os investimentos e o custeio da máquina administrativa que são os serviços que a comunidade espera receber da Prefeitura em contrapartida aos impostos que pagam.

Continua depois da publicidade

Quando iniciamos a gestão, o município tinha uma dívida milionária, mais de R$ 6 milhões. Além de ter que manter o funcionalismo e custeio em dia, nós tivemos que pagar essa dívida, pois se não as certidões do município não ficariam positivas, o que inviabilizaria receber transferências do Estado e da União, o que é muito importante já que estamos vivendo uma época de crise e os municípios não têm condições de fazer grandes investimentos.

O que foi feito para superar as dificuldades iniciais?

Para sanar essas dívidas, foi necessário um envolvimento e um esforço coletivo de todos, buscando identificar onde estava havendo os desperdícios, gastos desnecessários; sem comprometer a prestação de serviço. Então, em um ano e quatro meses fizemos esse trabalho junto com todo o funcionalismo público, todas as pessoas que direta ou indiretamente estão envolvidas no gasto, conseguimos pagar essa dívida milionária.

Quais os principais avanços que o senhor destacaria na Saúde?

Primeiro, a universalização da Saúde. Todas as pessoas têm acesso livre às consultas, exames e procedimentos, sem precisar de nenhum intermediário ou porta voz do cidadão. Salientamos, ainda, o aumento da oferta de medicamentos; temos quase 90% dos medicamentos exigidos pelo SUS ofertados. O município de Iúna foi o único que aumentou em sete especialidades médicas ofertadas ao cidadão, assim evitamos o deslocamento de pacientes para fora da cidade. Estamos ofertando um transporte sanitário mais digno, com maior amplitude para as pessoas que precisam. O foco é ofertar um melhor acolhimento e humanização nos setores de saúde, esperamos com isso, em uma próxima etapa, estar melhorando o ambiente dos profissionais o que vai se traduzir em um local de melhor atendimento para a comunidade que é nosso principal cliente e merece qualidade.

Recentemente, demos ordem de serviço para a construção de uma nova Unidade de Saúde da Família, no bairro Quilombo. Ali é o maior bairro residencial e populacional de Iúna. Nós temos lá um posto de saúde que não é apropriado, são mais de 4,2 mil pessoas que residem ali e contam com um posto pequeno. Definitivamente, é um local inadequado para os profissionais e população. A nova Unidade de Saúde vai permitir ampliar o espaço para a comunidade ser atendida com mais conforto, salubridade e com os instrumentos necessários.

E na Educação, quais os avanços?

Tivemos um histórico, em 2016, com 3,9 mil alunos; 2017, aproximadamente 4,3 mil crianças e, 2018 foram 4.554 estudantes na rede municipal. Este ano, ainda não temos os dados específicos, pois não foram consolidadas todas as matrículas. Inicialmente, foi instalado aqui em Iúna a Escola Viva, de tempo integral, procuramos a cada momento estar valorizando, dialogando e construindo um ambiente escolar, no qual os profissionais da Educação, os pais, e o alunos, principalmente, sejam os maiores beneficiados.

Esse ano, em especial, estamos fazendo a reorganização da rede de ensino, em que o município fica com as séries iniciais e, repassamos, para o Estado o Ensino Fundamental 2. Essa reorganização vai ser muito eficiente, pois assim iremos aumentar o IDEB do município. Vamos fazer uma reforma no colégio “Deolinda”, que foi inaugurado em 1989 e, até hoje, nunca recebeu uma reforma. Temos que ter ali um local com estudo de qualidade onde a criança sinta o prazer de estar indo, e a família se sintam segura em deixar o filho.

Iúna é um município em que a economia tem base forte na Agricultura. Quais ações nessa área podemos destacar?

Iúna é um município eminentemente agrícola. Dentro das várias atividades, o café é o que se destaca como o principal produto de geração de emprego e renda, na qual, inclusive, dele decorrem outros investimentos. Nós procuramos criar um ambiente favorável para diversificação da agricultura, em que os produtores tenham na entressafra, condições de dar subsistência às famílias com atividades paralelas e diversificadas. A grande maioria das propriedades de Iúna, cerca de 90%, é de agricultores familiares, com menos de quatro alqueires de terra.

Ano passado, assumimos o primeiro lugar em produção de café arábica em grãos do Espírito Santo. Tivemos também o mérito, através do trabalho do Deneval Vieira e família, de alcançar o segundo lugar de cafés especiais a nível nacional. Aproximadamente 48% de nossa população vive na zona rural. Já fizemos mais de 250 pontes e bueiros, patrolamos, praticamente, três vezes as estradas do município. Além da aplicação de produtos, como revisol e saibro em mais de 200 quilômetros de estradas.

A pecuária vem se desenvolvendo muito. Foi através da agricultura e pecuária que foram criadas duas importantes associações aqui em Iúna: Associação de Produtores de Cafés Especiais e a Associação dos Pecuaristas. Temos feito parcerias, capacitando os produtores para exercerem suas atividades dentro das técnicas e modernidades científicas.

Como está sendo trabalhado o turismo em Iúna?

Um setor que se apresenta como gerador de emprego e renda, uma fonte limpa é o Turismo. Estamos vinculando o turismo à agricultura. Não precisamos criar atrativos para chamar a atenção do turista. Iúna tem as festas culturais e tradicionais, turismo religioso, eventos de esportes radicais e as belezas naturais de nossas cachoeiras, bem como os circuitos turísticos que nós implementamos através da secretaria de Turismo, Esporte e Cultura. O turismo é um tripé: o poder público, as pessoas e as comunidades e os empreendedores. Todos precisam estar em harmonia e pensar de forma coletiva.

Um projeto bastante ambicioso que estamos desenvolvendo junto à comunidade, às secretarias de turismo do município e estadual e Meio Ambiente é a abertura da trilha, através do distrito de São João do Príncipe, para o Pico da Bandeira. Será uma opção para levar essa atividade muito importante para aquela região.

E o setor de obras, quais as principais e mais relevantes nesse período para o município?

Todo trabalho de serviço urbano está vinculado à capacitação de recursos, em termos de investimentos. O município estava devendo muito, e não existia condições de realizar investimentos com recursos próprios. Portanto, num primeiro momento, foi preciso colocarmos em dia as finanças para viabilizar o recebimento de convênios do Estado e da União para construção e investimento necessários, como a creche no bairro Nossa Senhora da Penha, o Posto de Saúde no bairro Quilombo, e também na pavimentação do Parque Industrial, seja na pavimentação em São João do Príncipe, reforma do Ginásio, a obra no Zigue-Zague.

Agora vamos ter um avanço, pois já está em andamento algumas obras significativas e, através de recursos próprios, nossos servidores com muito esforço tem feito intervenções em pontos chaves como essa obra do zigue-zague, histórica e necessária. Outra obra muito esperada e já concluída foi a reforma de todo o complexo no estádio municipal.

E as ações ambientais?

A secretaria de Meio Ambiente aumentou muito o número de licenciamentos. A partir de julho deste ano 100% do esgoto da sede de Iúna será captado e tratado. Outra conquista histórica para todos os cidadãos foi a extinção do lixão que sempre foi um problema. O município tinha assinado um termo de responsabilidade junto ao Ministério Público, pois o lixão afetava toda a saúde pública da região. Hoje, conseguimos finalizar o processo de pesagem, transbordo, transporte e destinação final e o lixo está indo para o aterro sanitário de Cachoeiro de Itapemirim.

Estamos com o objetivo de fazer um parque municipal, englobando o Instituto Maria da Mata, onde se desenvolvam atividades ecológicas, inclusive um viveiro municipal, pois temos uma grande demanda por mudas.

Qual a principal marca dessa gestão nos dois primeiros anos de mandato?

Precisamos administrar o município com a visão de que aqui é a nossa casa. Gerenciando recurso público, estamos trabalhando com o dinheiro de todos. A honestidade tem sido um direcionamento comum para todas as pessoas. Os desafios são muitos e a gente espera estar contribuindo nas áreas da Saúde, Educação em demais setores. Na Agricultura, pegamos as compras públicas na área da agricultura familiar em 34% e hoje está em 70%, inclusive destinado à preparação da merenda escolar, com capacitação das merendeiras.

Uma das marcas da gestão é transparência na prestação de contas e serviços públicos. O poder público não pode tudo. É igual a casa da gente, temos que ter responsabilidade. Não podemos assumir uma despesa se não tivermos uma receita compatível para saldar aquela despesa. É importante deixar a comunidade ciente do que está acontecendo e dos nossos limites.

Quais as metas e projetos para 2019?

Nosso caminho é continuar perseverando e buscando a direção de Deus para todas as nossas ações. Contando com o apoio incondicional e o trabalho de todos os servidores públicos. Todos são importantes nessa engrenagem. Junto com todas as secretarias vamos fazer um trabalho de finalização de todas essas obras e projetos em andamento. E que a comunidade toda entenda que as dificuldades são muitas e o município ficou muito tempo parado, com deficiência orçamentária e financeira. Esperamos fazer reformas nos postos de saúde e escolas que são nossa prioridade. Não trabalhamos com o que nós queremos, mas com o que a sociedade espera e elege como prioridade.

 

Publicidade