Espírito Santo

Mariana: pescadores de MG e ES obtem vitória na justiça contra Samarco

COMPARTILHE
275

A Justiça Federal acaba de deferir o recurso apresentado por pescadores e, com isso, derruba a liminar que autorizava a Samarco a mudar o cálculo da indenização de atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, ocorrido em 2015, em Mariana (MG). Na decisão, a desembargadora Daniele Maranhão, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), avaliou que a alteração feria o Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC), que apresenta as ações voltadas para a reparação dos danos da tragédia e define as bases para a criação da Fundação Renova, instituição responsável pela gestão das medidas listadas.

Com tema super heróis, detentos produzem perucas e doam a crianças com câncer no ES 

O mundo dos personagens infantis foi a proposta pensada pela Penitenciária de Segurança Média...

Desconto de até 40% em multas de trânsito no ES com novos serviços digitais

O Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES) lançou, na manhã desta segunda-feira...

Espírito Santo realiza Copa Cerveja Brasil, premia 65 marcas e elege os destaques do ano

Foram três dias de avaliações, envolvendo mais de 40 especialistas de todo o país....

O recurso foi impetrado pelos representantes de milhares de pescadores da Federação e das Colônias entre MG e ES, os advogados Leonardo Amarante e Mauro Menezes, que abriram contestação na justiça logo após tomarem ciência de decisão em favor da Samarco, no dia 27 de dezembro de 2018, durante o recesso judicial. Na ocasião, a decisão da 12ª Vara Federal, permitia à Samarco recalcular indenizações de ao menos 1500 acordos que já haviam sido firmados com pescadores.

“Essa decisão representa a vitória dos pescadores, mas, acima de tudo, daquilo que é correto e justo, uma vez que preserva milhares de acordos que já haviam sido assinados oficialmente entre todas as partes. Não podemos admitir mudança de regras depois de tudo formalizado, até porque a liminar em favor da Samarco havia sido dada sem ouvir nenhum dos impactados ou suas entidades representativas”, avalia Amarante, lembrando que a forma como a Samarco vinha conduzindo a situação, violava os princípios de boa fé e proibição do comportamento contraditório.

Continua depois da publicidade

O recurso de contestação à liminar também foi acompanhado pelo MPF e MPs de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Publicidade