Espírito Santo

Mariana: pescadores de MG e ES obtem vitória na justiça contra Samarco

COMPARTILHE
262

A Justiça Federal acaba de deferir o recurso apresentado por pescadores e, com isso, derruba a liminar que autorizava a Samarco a mudar o cálculo da indenização de atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, ocorrido em 2015, em Mariana (MG). Na decisão, a desembargadora Daniele Maranhão, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), avaliou que a alteração feria o Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC), que apresenta as ações voltadas para a reparação dos danos da tragédia e define as bases para a criação da Fundação Renova, instituição responsável pela gestão das medidas listadas.

Concurso da Polícia Civil no ES com última semana de inscrição

Resta apenas uma semana para o encerramento das inscrições para o concurso para o...

ES alcança maior cobertura do país em primeira semana de vacinação contra gripe

Após uma semana da Campanha Nacional de Vacinação Contra Influenza, um total de 89.058...

Espírito Santo em estado de alerta para tempestades de raios e chuva intensa

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) emitiu alerta nesta quarta-feira (17), sobre temporais e...

O recurso foi impetrado pelos representantes de milhares de pescadores da Federação e das Colônias entre MG e ES, os advogados Leonardo Amarante e Mauro Menezes, que abriram contestação na justiça logo após tomarem ciência de decisão em favor da Samarco, no dia 27 de dezembro de 2018, durante o recesso judicial. Na ocasião, a decisão da 12ª Vara Federal, permitia à Samarco recalcular indenizações de ao menos 1500 acordos que já haviam sido firmados com pescadores.

“Essa decisão representa a vitória dos pescadores, mas, acima de tudo, daquilo que é correto e justo, uma vez que preserva milhares de acordos que já haviam sido assinados oficialmente entre todas as partes. Não podemos admitir mudança de regras depois de tudo formalizado, até porque a liminar em favor da Samarco havia sido dada sem ouvir nenhum dos impactados ou suas entidades representativas”, avalia Amarante, lembrando que a forma como a Samarco vinha conduzindo a situação, violava os princípios de boa fé e proibição do comportamento contraditório.

Continua depois da publicidade

O recurso de contestação à liminar também foi acompanhado pelo MPF e MPs de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Publicidade