Cidades

Buracos, desníveis e má sinalização dificultam o tráfego na ES 181 em Muniz Freire

COMPARTILHE
906

Seja de moto ou de automóvel, o tráfego pela ES 181, no município de Muniz Freire, está cada dia mais complicado. Devido a falta de manutenção, há desníveis e desvios pelo caminho, além de buracos e desgaste do asfalto. Quem trafega constantemente pela rodovia reclama das dificuldades, riscos e dos desgastes que as condições da via causam aos veículos.

Revitalização de praça destaca antigo viradouro ferroviário de Cachoeiro

Dentre as melhorias que estão sendo feitas pela prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim, por...

Turnê pedagógica encanta alunos da rede municipal de Cachoeiro

Encantamento é a palavra que resume a primeira semana das atividades da Turnê Pedagógica...

Novos Laboratórios Móveis de Informática chegam a duas escolas de Cachoeiro

Quase mil chromebooks (computadores modernos) já estão disponíveis nas escolas da Rede Estadual de...

O trecho que liga a BR 262 à sede da cidade, passa pelo distrito de Piaçu, e tem cerca de 30 quilômetros de extensão. O asfalto passa por uma serra, o que torna o trecho ainda mais perigoso. No decorrer da via, parte dos asfalto cedeu e causou desníveis que requerem ainda mais atenção de quem trafega por ali. Moradores relatam que o trecho que liga a sede da cidade ao município de Alegre também está em más condições.

O vigilante patrimonial Diórgenes Ribeiro contou que mesmo tapando alguns buracos o problema está longe de ser resolvido. “É complicado transitar pela ES 181. Quando não é buraco são as depressões que surgem na pista e que muitas vezes não possuem sinalização alguma. Fizeram uma operação tapa buracos, mas temos plena certeza que em poucos dias já estará tudo esburacado de novo, isso pela qualidade do serviço. Eu, como condutor e cidadão que pago meus impostos em dia, só queria ter uma estrada em boas condições para andar com minha família. Está tenso, muito buraco e prejuízo sobre prejuízo”, contou.

Continua depois da publicidade

Vitor Aguiar de Souza mora na sede da cidade e trabalha em uma empresa na localidade de Assunção. Ele precisa percorrer cerca de 30 quilômetros pela ES 181 diariamente de moto para chegar ao emprego. “De fato, a estrada está muito precária, abandonada, com vários desníveis no asfalto e muito buraco. Às vezes, eles fazem remendos, tapa buracos, só que fica muito alto e quando trafegamos com o carro, ele vibra e dá muito baque. A sinalização também não é boa, principalmente à noite, no trecho da subida da Serra do Guarani. Tem muito tempo que esse asfalto foi feito”, relata Vitor.

O servidor público e teólogo Leonísio Pereira de Souza diz que tanto o trecho que vai até a BR 262, quanto a que segue para Alegre, estão em más condições. “Faço esse trajeto sempre. Existe dois lugares na pista que foram quebrados há 13 anos. Até tínhamos pensado em colocar umas placas de revolta. A estrada está horrível. Começaram a cortar os matos que já estavam invadindo a pista. Está uma ‘colcha’ de retalhos não tem onde fazer mais tapa buraco, sem falar na estrada sem acostamentos e muitas curvas”, detalha Leonísio.

O que diz o DER

Segundo o Departamento Estadual de Estradas e Rodagens (DER), responsável pela rodovia ES 181, as equipes do órgão estarão trabalhando no rodovia neste mês de fevereiro. Serão feitos os serviços de roçada, capina, limpeza de acostamento, limpeza dos dispositivos de drenagem e tapa-buracos, em um trecho de aproximadamente 21,5 quilômetros de extensão.

Publicidade