Economia

Bolsas de NY fecham em alta com negociações comerciais EUA-China no foco

COMPARTILHE
15

Os mercados acionários americanos encerraram a sessão desta sexta-feira, 22, em alta, após mais uma rodada de negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China. Pela primeira vez desde setembro, o índice Dow Jones voltou a fechar acima da marca simbólica de 26 mil pontos e a apresentar valorização pela nona semana consecutiva, consolidando a maior onda de ganhos semanais desde 1995. O índice Nasdaq também encerrou sua nona semana seguida de avanços, a maior sequência em dez anos.

China tem amplos instrumentos para lidar com flutuações no câmbio, diz PBoC

A China tem instrumentos amplos e experiência acumulada para lidar com flutuações no mercado...

Acordo garante liberação de dados da Receita para auditores do TCU

A equipe econômica e o Tribunal de Contas da União (TCU) selaram acordo para...

Acordo garante liberação de dados da Receita para auditores do TCU

A equipe econômica e o Tribunal de Contas da União (TCU) selaram acordo para...

Em Wall Street, o Dow Jones fechou em alta de 0,70%, cotado a 26.031,81 pontos, enquanto o S&P 500 subiu 0,64%, para 2.792,67 pontos. Na semana, o Dow Jones avançou 0,53% e o S&P 500 apresentou valorização de 0,52%. Já o índice eletrônico Nasdaq ganhou 0,91%, aos 7.527,54 pontos, com alta semanal de 0,59%.

Após uma intensa semana de negociações em Washington, as conversas entre autoridades americanas e chinesas não chegaram ao fim nesta sexta-feira, como esperado. A comitiva do país asiático, liderada pelo vice-primeiro-ministro Liu He ficará por mais dois dias na capital dos EUA para novas reuniões com a delegação americana, que é liderada pelo representante comercial, Robert Lighthizer, e pelo secretário do Tesouro, Steven Mnuchin. Hoje, os dois lados se reuniram na Casa Branca e, em rápidos comentários, o presidente Donald Trump se mostrou otimista quanto a um possível acordo com a China. O tom positivo de sua fala, porém, foi seguido com mais cautela pelos demais presentes no encontro.

Continua depois da publicidade

Lighthizer disse que alguns obstáculos “muito grandes” permanecem para que um acordo sino-americano seja fechado, enquanto o secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, afirmou que “é um pouco cedo para champanhe”. Mesmo assim, foi o otimismo de Trump que imperou nos negócios, que até chegaram a perder fôlego pontualmente, mas viram o índice Nasdaq fechar na máxima do dia. O apoio ao indicador veio dos papéis de giant techs, que têm suporte de um ambiente comercial menos tenso: a Apple fechou em alta de 1,10% e a Alphabet, controladora do Google, subiu 1,12%. Na avaliação do economista-chefe da Renaissance Macro Research, Neil Dutta, as bolsas em Nova York podem subir 11% se houver uma resolução comercial entre as duas maiores economias do mundo.

Os agentes também continuaram de olho em diversos discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). O tom “dovish” predominante permitiu que o ambiente positivo nas bolsas se espalhasse, principalmente depois que a maioria dos dirigentes defendeu que o portfólio de ativos do Fed pare de ser reduzido este ano.

Também nesta sexta-feira, as ações da Kraft Heinz foram duramente penalizadas e despencaram 27,46% depois que a empresa disse que lançou uma baixa contábil de US$ 15,4 bilhões, referente à redução do valor recuperável de alguns ativos e do valor de alguns ativos intangíveis. Com isso, a Kraft registrou prejuízo de US$ 12,6 bilhões no trimestre. Em termos ajustados, o lucro foi de US$ 0,84 por ação, enquanto analistas esperavam ganho ajustado de US$ 0,94 por ação.

Victor Rezende e Gabriel Wainer
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade