Geral

Moraes suspende norma de RR sobre limite mínimo de gastos com saúde no Estado

COMPARTILHE
6

Em meio a crise que vive o Estado de Roraima, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu a um pedido do governador Antonio Denarium (PSL) e suspendeu um artigo da Constituição estadual que define que, no mínimo, 18% do orçamento estadual devem ser aplicados na Saúde. A previsão foi estabelecida por uma emenda constitucional de 2016.

O que se sabe sobre o vídeo da Momo, que causou pânico no Brasil

Nos últimos dias, pais e mães se angustiaram diante do boato de que vídeos...

Inep libera espelhos da redação do Enem 2018

Os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 já podem ter acesso...

Buracos e placas encobertas por árvores incomodam motoristas em SP

Motoristas que trafegam pela capital paulista demonstram receio em razão de acidentes que podem...

Segundo o governador de Roraima, a mudança trouxe potencial risco ao caixa do Estado e prejuízo à continuidade de políticas públicas essenciais – e até mesmo ao funcionamento da máquina pública. Denarium também reclamou no STF que a emenda não foi de autoria do Executivo, e sim de um deputado estadual, que não teria competência para propor esta mudança.

A decisão de Moraes, assinada na última quarta-feira, 20, se dá em um momento de tensão no Estado de Roraima, que faz fronteira com a Venezuela. Ontem, o presidente do país vizinho, Nicolás Maduro, anunciou o fechamento da fronteira com o Brasil. Nesta sexta-feira, 22, soldados venezuelanos abriram fogo contra um grupo de civis que tentava manter aberta uma passagem na região da fronteira. O problema no Estado também passa pelo âmbito fiscal, tendo o governador decretado no início do ano calamidade financeira.

Continua depois da publicidade

Orçamento

De acordo com Denarium, o patamar mínimo para investimento em saúde interferiu na gestão do executivo e engessou o orçamento do Estado. O político cita ainda que a emenda constitucional do Teto de Gastos, de 2016, exige que criações ou alterações de despesa sejam acompanhadas de uma estimativa de impacto orçamentário. “No caso, com a redução da receita corrente líquida do Estado (uma vez que houve um aumento de 6% do porcentual destinado a saúde), houve um impacto financeiro e orçamentário negativo imediato e contínuo no orçamento do Estado”, observou.

Moraes acolheu os argumentos do governador, e suspendeu a validade do artigo até que o plenário julgue o caso, podendo confirmar ou reverter a decisão liminar do ministro. Para Moraes, a situação “projeta efeitos danosos e irreversíveis sobre as atividades da Administração Pública do Estado de Roraima, interferindo indevidamente na formação do orçamento público e comprometendo a aplicação de recursos em outras ações e políticas públicas de relevância social”.

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade