Geral

Sob risco de febre amarela, destinos do carnaval em SP pedem vacinação

COMPARTILHE
17

Quem pretende viajar para a praia ou regiões de trilhas e cachoeiras durante o carnaval e ainda não está imunizado contra a febre amarela, precisa tomar a vacina agora. O alerta, da Secretaria da Saúde do Estado, leva em conta a circulação do vírus em todo o litoral paulista – litoral norte, Baixada Santista e litoral sul -, além das regiões de parques estaduais na região da Serra do Mar e no Vale do Ribeira. Neste ano, foram confirmados 36 casos de febre amarela silvestre no Estado, dos quais nove resultaram em óbitos.

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem em Jundiaí (SP)

O motorista de uma van perdeu o controle do veículo e invadiu uma lanchonete,...

PRF prende motociclista acusado de disputar 'racha' em Aparecida (SP)

A Polícia Rodoviária Federal prendeu em flagrante um motociclista que disputava corrida na rodovia...

Canonizada pelo papa Francisco, Irmã Dulce vira Santa Dulce dos Pobres

Às 10h34 (5h34 no horário de Brasília) deste domingo, 13, o papa Francisco oficialmente...

De acordo com a diretora de imunização da pasta, Helena Sato, o ideal é que os foliões procurem os postos até esta terça-feira, 19, pois a vacina leva cerca de dez dias para fazer efeito. “Aos que tomarem a vacina em período inferior a dez dias da viagem marcada para o Carnaval, recomendamos que evitem adentrar áreas verdes, usem repelentes e roupas compridas de cor clara para reforçar a prevenção.”

Conforme a diretora, embora a vacina seja indicada para todo o Estado, nesse período, as regiões de matas e cavernas dos parques estaduais, principalmente no Vale do Ribeira, são mais procuradas por pessoas que buscam curtir o período do Carnaval em contato com a natureza. As principais cidades praianas do litoral paulista também são cercadas de matas, principalmente da Serra do Mar. Essas regiões são as que tiveram detectada a circulação do vírus mais recentemente.

Continua depois da publicidade

No Estado, só existem casos da forma silvestre da doença, transmitida pelos mosquitos Haemagogus e do gênero Sabethes que vivem nas matas. De acordo com a especialista, a vacina está disponível em toda a rede pública e é a melhor forma de prevenção contra a doença. Podem ser imunizadas pessoas a partir de 9 meses de idade, mas a vacina não é indicada para crianças com menos de 6 anos, mulheres amamentando, gestantes e imunodeprimidos. Quem tiver dúvida em se vacinar, em razão de estar passando por algum tratamento, deve buscar orientação médica.

Em todo o Estado de São Paulo, a cobertura pela vacina atinge média de 70%, com variações entre as regiões. Nos dois últimos anos, 15 milhões de pessoas foram vacinadas. Conforme o Centro de Vigilância Epidemiológica, em 2018, houve 502 casos de febre amarela com 175 mortes. Em 2017, foram 74 casos e 38 óbitos. No Brasil, não há registro da febre amarela urbana desde 1942.

José Maria Tomazela
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade