Geral

Sob risco de febre amarela, destinos do carnaval em SP pedem vacinação

COMPARTILHE
16

Quem pretende viajar para a praia ou regiões de trilhas e cachoeiras durante o carnaval e ainda não está imunizado contra a febre amarela, precisa tomar a vacina agora. O alerta, da Secretaria da Saúde do Estado, leva em conta a circulação do vírus em todo o litoral paulista – litoral norte, Baixada Santista e litoral sul -, além das regiões de parques estaduais na região da Serra do Mar e no Vale do Ribeira. Neste ano, foram confirmados 36 casos de febre amarela silvestre no Estado, dos quais nove resultaram em óbitos.

Justiça Militar condena cinco oficiais do Exército por peculato

A Justiça Militar condenou cinco oficiais do Exército e dois empresários por crime de...

'MEC tem de interromper a agenda ideológica', diz professor

Desde o início da gestão Jair Bolsonaro, o Ministério da Educação (MEC) protagonizou uma...

SP: Ipiranga e Vila Mariana estão entre os 10 bairros onde mais se furtam carros

A artesã Regina Rustice, de 44 anos, sempre deixava o carro na mesma rua...

De acordo com a diretora de imunização da pasta, Helena Sato, o ideal é que os foliões procurem os postos até esta terça-feira, 19, pois a vacina leva cerca de dez dias para fazer efeito. “Aos que tomarem a vacina em período inferior a dez dias da viagem marcada para o Carnaval, recomendamos que evitem adentrar áreas verdes, usem repelentes e roupas compridas de cor clara para reforçar a prevenção.”

Conforme a diretora, embora a vacina seja indicada para todo o Estado, nesse período, as regiões de matas e cavernas dos parques estaduais, principalmente no Vale do Ribeira, são mais procuradas por pessoas que buscam curtir o período do Carnaval em contato com a natureza. As principais cidades praianas do litoral paulista também são cercadas de matas, principalmente da Serra do Mar. Essas regiões são as que tiveram detectada a circulação do vírus mais recentemente.

Continua depois da publicidade

No Estado, só existem casos da forma silvestre da doença, transmitida pelos mosquitos Haemagogus e do gênero Sabethes que vivem nas matas. De acordo com a especialista, a vacina está disponível em toda a rede pública e é a melhor forma de prevenção contra a doença. Podem ser imunizadas pessoas a partir de 9 meses de idade, mas a vacina não é indicada para crianças com menos de 6 anos, mulheres amamentando, gestantes e imunodeprimidos. Quem tiver dúvida em se vacinar, em razão de estar passando por algum tratamento, deve buscar orientação médica.

Em todo o Estado de São Paulo, a cobertura pela vacina atinge média de 70%, com variações entre as regiões. Nos dois últimos anos, 15 milhões de pessoas foram vacinadas. Conforme o Centro de Vigilância Epidemiológica, em 2018, houve 502 casos de febre amarela com 175 mortes. Em 2017, foram 74 casos e 38 óbitos. No Brasil, não há registro da febre amarela urbana desde 1942.

José Maria Tomazela
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade