Geral

Brumadinho: Ministério da Saúde vai tratar profissionais de resgate por 20 anos

COMPARTILHE
Bombeiros capixabas enviados à Brumadinho
173

O porta-voz do governo de Jair Bolsonaro, Otávio Rêgo Barros, informou nesta segunda-feira, 18, que o Ministério da Saúde irá acompanhar pelos próximos 20 anos a saúde de mil profissionais que trabalharam no resgate das vítimas do rompimento da barragem de Brumadinho, Minas Gerais.

Morrem mais duas vítimas de explosão de barco no Acre

Morreram neste sábado, 15, mais duas pessoas que estavam no barco que explodiu no...

OAB/RJ: criminalização da homofobia como racismo é conquista dos direitos humanos

O presidente da Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero da Ordem dos Advogados...

Witzel sugere explodir com míssil traficantes armados; oposição reage

O governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, provocou polêmica ao sugerir...

De acordo com ele, a medida será voltada para os profissionais do Corpo de Bombeiros, Força Nacional de Segurança, Defesa Civil e Ibama e demais profissionais que atuaram na área do desastre. A ação terá a colaboração de pesquisadores de instituições como a Fiocruz, instituto Evandro Chagas, universidades federais de Minas Gerais e do Rio de Janeiro além da organização Médicos Sem Fronteiras.

Rêgo Barros confirmou que o governo determinou que as barragens a montante, similares à de Brumadinho, sejam extintas ou remodeladas até 2023. Já as barragens do tipo alteamento a montante que estão desativadas deverão ser eliminadas até 15 de agosto de 2021. As que ainda estão em funcionamento tem até 2023 para serem encerradas.

Continua depois da publicidade

A recomendação é da Agência Nacional de Mineração (ANM) e foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda. O texto da resolução será objeto de consulta pública por 30 dias, conforme o Broadcast informou no sábado, 16.

Atualmente, há 84 barragens desse tipo no Brasil, das quais 43 são classificadas como de alto dano potencial – quando o rompimento ou mau funcionamento acarreta perda de vidas humanas e danos sociais, econômicos e ambientais.

A proposta de resolução divulgada pela ANM prevê que as mineradoras façam o descomissionamento ou descaracterização de suas barragens a montante até 15 de agosto de 2021. Até lá, as barragens desse tipo que estiverem ativas deverão ter monitoramento constante, até que sejam extintas ou adaptadas para modelos a jusante ou de linha de centro.

Mariana Haubert
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade