Esporte Nacional

'Enquanto me sentir capaz, vou seguir', diz Jardine, após eliminação do São Paulo

COMPARTILHE
11

André Jardine ainda é o técnico do São Paulo. Após o empate sem gols com o argentino Talleres, no Morumbi, resultado que eliminou o time na segunda fase preliminar da Copa Libertadores, o treinador falou como comandante do time. O próprio, porém, não deu certeza se estará no banco de reservas no próximo domingo, quando o time visita o Corinthians, em Itaquera, pelo Campeonato Paulista.

Operário-PR vence e deixa o Guarani na lanterna da Série B

Nada é tão ruim que não possa piorar. Na noite desta terça-feira, no estádio...

PSG frustra tentativa do Barcelona e rejeita liberar Neymar por empréstimo

O Barcelona insiste, o Real Madrid sonda e a Juventus tenta seduzir o Paris...

João Menezes vence na estreia e Rogerinho cai no quali do US Open

No embalo da medalha de ouro conquistada no Pan de Lima, João Menezes venceu...

“Não consegui tirar um minuto sequer pra pensar nisso”, respondeu, quando questionado se tinha convicção de que seria o treinador no clássico. “Nesse momento é tristeza. Todos no vestiário sofrendo, como tem que ser. Começando a pensar como vai ser daqui para frente. O dia de amanhã com certeza vamos conseguir refletir melhor sobre todas as coisas”, completou.

Assim como aconteceu após a derrota para a Ponte Preta, no último sábado, Jardine foi indagado sobre qual seria o seu limite para suportar a pressão. A resposta acabou sendo parecida: “Eu realmente não sei dizer qual é o meu limite. O que eu sei é que quem está no futebol… jogadores, presidente, Raí, estamos sujeitos e estamos aqui para suportar a pressão que é estar no São Paulo. O São Paulo é muito grande. A pressão dos anos que não conquista, a gente sabe de tudo isso. Todos estamos trabalhando, todos os dias, acreditando que teremos um grande ano. Enquanto eu me sentir capaz e com força para seguir, eu vou seguir”.

Continua depois da publicidade

Desde que assumiu ainda como interino, no fim de novembro passado, Jardine comandou o time em 15 jogos, com quatro vitórias, três empates e oito derrotas, tendo aproveitamento de 33,3%. Ele tem o pior desempenho de um treinador no São Paulo desde Doriva, em 2015.

“Estou bastante decepcionado. É momento de todos dentro do clube reconhecerem isso. Temos a expectativa de jogar um futebol muito melhor. A responsabilidade é minha. Mas não custa, lembrar-nos todos, que a dificuldade do São Paulo se impor contra clubes menores no Morumbi vem de bastante tempo”, disse, referindo-se a outras eliminações recentes diante de adversários menos expressivos no cenário do futebol. Esta foi a 20ª eliminação do clube em torneios de mata-mata desde o último título, a Copa Sul-Americana de 2012. “O fato é que eu ainda não consegui. Imagino eu que tenho capacidade. O problema ainda existe, e precisamos resolver. O São Paulo precisa ser capaz de jogar um futebol melhor, que a torcida está acostumada.”

Renan Cacioli
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade