Economia

Juros fecham em baixa com varejo fraco e entrevista de Ilan ao Broadcast

COMPARTILHE
23

Os juros futuros confirmaram no fechamento da sessão regular o movimento de baixa que conduziu as taxas desde a abertura nesta quarta-feira, 13. A trajetória foi atribuída aos dados fracos das vendas do varejo e a declarações do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, dadas com exclusividade ao Broadcast, sistema fechado de notícias em tempo real do Grupo Estado. Também contribuiu para o alívio a alta hospitalar do presidente da República, Jair Bolsonaro, o que anima os investidores quanto ao avanço na tramitação da reforma da Previdência.

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos

Iniciativa, resiliência, criatividade e responsabilidade são alguns dos atributos que executivos de empresas que...

Crise argentina, feitiço do tempo

Pode faltar bife em qualquer parte do mundo, menos em restaurante argentino, certo? Errado....

Apesar de mandado dos EUA, petroleiro iraniano pode deixar Gibraltar no domingo

O petroleiro iraniano Grace 1, apreendido em Gibraltar em julho por forças britânicas e...

Com isso, o mercado de juros esteve o dia todo descolado da pressão vista no câmbio e que levou o dólar, nas máximas, a romper os R$ 3,76. Na última hora, a moeda desacelerou um pouco a alta, enquanto o Ibovespa oscilou entre os terrenos positivo e negativo.

No fim da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou em 6,415% (mínima), de 6,480% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2021 caiu de 7,162% para 7,06%. A taxa do DI para janeiro de 2023 fechou em 8,18%, de 8,252%. A taxa do DI para janeiro de 2025 recuou de 8,762% para 8,72%.

Continua depois da publicidade

Em dezembro, as vendas do varejo restrito recuaram 2,2% ante novembro, muito abaixo do piso das estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast, de -1,7%. No varejo ampliado, a queda foi de 1,7%, exatamente o piso das previsões.

Com isso, várias instituições colocaram um viés de baixa em seus prognósticos para o PIB de 2018, como por exemplo a Necton Investimentos e o Banco Safra. A fraqueza da atividade reforça ainda mais a percepção de que a Selic deve permanecer em 6,50% por um longo período, como havia indicado a ata do Comitê de Política Monetária (Copom), enfraquecendo a possibilidade de um aperto.

Contudo, alguns players não descartam a hipótese de uma nova queda da taxas, especialmente se avançar a reforma da Previdência.

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em entrevista exclusiva ao Broadcast, afirmou nesta quarta-feira que o momento atual é de desafio fiscal “relevante” e que, por isso, o BC precisa ser mais cauteloso ao testar novas mínimas. “Por mais que ele tenha mencionado cautela, a leitura é que ele não descartou novos cortes”, disse um gestor.

Denise Abarca
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade