Política Nacional

Retomada da PF mira bens adquiridos com dinheiro da educação desviado em AL

COMPARTILHE
6

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal abriram nesta quarta-feira, 13, a Operação Retomada contra desvios de verbas públicas da educação no sertão de Alagoas. São cumpridos 40 mandados de busca e apreensão nos municípios de Traipu e Feira Grande.

Bolsonaro veta peça publicitária para o Banco do Brasil

Uma campanha publicitária do Banco do Brasil dirigida para o público jovem, divulgando o...

Sérgio Silveira Banhos é nomeado juiz titular do TSE na vaga de Admar Gonzaga

O presidente Jair Bolsonaro nomeou o advogado Sérgio Silveira Banhos para compor o Tribunal...

Inquérito vai investigar voo de vice-governador de Minas

O Ministério Público de Contas de Minas Gerais instaurou nesta quinta-feira, 25, inquérito para...

A Operação Retomada tem como objetivo recuperar os bens adquiridos com verbas públicas supostamente desviadas pelo ex-prefeito de Traipu, Marcos Santos. Ele foi preso na noite de 12 de dezembro do ano passado durante a festa da padroeira da cidade, Nossa Senhora do Ó, e continua recolhido na Penitenciária Masculina Baldomero Cavalcanti de Oliveira.

Traipu tem cerca de 28 mil habitantes e fica a 190 quilômetros da capital Maceió.

Continua depois da publicidade

A investigação aponta fraude com recursos do Fundeb (Fundo Nacional de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais de Educação) e do PNATE (Programa Nacional de Transporte Escolar).

Em nota, a PF informou que a Procuradoria da República requereu à Justiça Federal a expedição de mandados de busca e apreensão em ação cautelar de indisponibilidade de bens preparatória de ação de improbidade (0000566-40.2011.4.50.8001).

A Operação Retomada tem o apoio da Polícia Rodoviária Federal.

Foram mobilizados 30 agentes da Polícia Federal. Todo material apreendido será levado para a sede do Ministério Público Federal em Arapiraca e para o Departamento de Estradas e Rodagem em Alagoas (DER-AL).

Quando foram autorizados os primeiros mandados de busca e apreensão e a decretação da indisponibilidade dos bens desta investigação, Marcos Santos era investigado em alguns inquéritos policiais e procedimentos administrativos do Ministério Público Federal em Alagoas.

O ex-prefeito já respondia a ações judiciais no âmbito federal: processo n. 0002175-61.2011.4.05.8000 – Ação Civil Pública; Processo n. 0000072-83.2008.4.05.8001 – Ação Penal Pública; Processo n. 0000101-02.2009.4.05.8001 – Ação Penal; Processo n. 0000747-46.2008.4.05.8001 – Ação Penal; Processo n. 0000759-60.2008.4.05.8001 – Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa; Processo n. 0000889-16.2009.4.05.8001 – Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa.

A reportagem tenta contato com a defesa. O espaço está aberto para manifestações.

Julia Affonso
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade