Geral

Brasileiros preenchem todas as vagas de cubanos no Mais Médicos

COMPARTILHE
16

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira, 13, que todas as vagas do edital do Mais Médicos, aberto após a saída dos médicos cubanos do programa, foram preenchidas por profissionais brasileiros. Ao todo, foram 8.517 vagas. Segundo a pasta, chamadas para médicos estrangeiros não devem ser realizadas.

Segurança acusado de matar rapaz no Extra poderá responder por homicídio doloso

O segurança particular Davi Ricardo Moreira Amâncio, de 32 anos, acusado pela morte de...

Preso por espancar mulher no Rio tem prisão preventiva decretada

O juiz Alex Quaresma Ravache converteu em preventiva a prisão em flagrante de Vinicius...

Sob risco de febre amarela, destinos do carnaval em SP pedem vacinação

Quem pretende viajar para a praia ou regiões de trilhas e cachoeiras durante o...

Brasileiros formados no exterior ocuparam as últimas 1.397 vagas para atuar em 667 localidades que estavam disponíveis. Eles teriam até as 18h desta quinta-feira, 14, para optar pelas cidades onde atuariam. Mas, segundo o ministério, os profissionais preencheram as vagas antes das 9h desta quarta. Havia 3.828 candidatos aptos a escolher localidades para trabalhar.

Pelo cronograma da pasta, a divulgação da lista com os profissionais e as cidades onde eles vão atuar será divulgada no dia 19 deste mês. “Todos os profissionais alocados nesta etapa, que não tiverem o Registro do Ministério da Saúde (RMS), realizarão um módulo de acolhimento, onde terão aulas e passarão por avaliação da coordenação nacional do programa”, informou o ministério.

Continua depois da publicidade

Saída de cubanos

Em novembro do ano passado, Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 8 mil médicos cubanos que trabalhavam no Brasil depois que o presidente Jair Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência no programa “à revalidação do diploma”, além de ter imposto “como via única a contratação individual”.

“Não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, presta serviços atualmente em 67 países”, declarou, na época, o governo de Cuba.

No mesmo mês, o Ministério da Saúde anunciou a abertura de um edital para ocupar as vagas deixadas pelos profissionais cubanos. As inscrições para o programa foram prorrogadas pelo ministério até o preenchimento das vagas.

Paula Felix
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade