Economia

TST considera abusiva greve contra privatização da Eletrobras

COMPARTILHE
11

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerou pela primeira vez como abusiva uma greve de trabalhadores contra a privatização de uma estatal. A maioria dos ministros decidiu que o movimento de empregados da Eletrobras contra a privatização em junho de 2018 “teve caráter político, e não trabalhista”, “por não se dirigir diretamente ao empregador, mas a uma medida governamental”.

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos

Iniciativa, resiliência, criatividade e responsabilidade são alguns dos atributos que executivos de empresas que...

Crise argentina, feitiço do tempo

Pode faltar bife em qualquer parte do mundo, menos em restaurante argentino, certo? Errado....

Apesar de mandado dos EUA, petroleiro iraniano pode deixar Gibraltar no domingo

O petroleiro iraniano Grace 1, apreendido em Gibraltar em julho por forças britânicas e...

A paralisação dos trabalhadores durou 72 horas e foi anunciada em 11 de junho do ano passado, mas o caso foi julgado apenas na segunda-feira, 11, pela Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do órgão. Logo após o anúncio da greve, a Eletrobras ajuizou dissídio coletivo e pediu ao TST que se pronunciasse sobre a paralisação.

O relator do processo, ministro Mauricio Godinho Delgado, reiterou seu entendimento de que a motivação dos empregados para a paralisação teve relação direta e fundamental com a manutenção de seus empregos. “Obviamente, é um direito constitucional legítimo dos trabalhadores se posicionarem contra ou a favor desse risco”, disse ele. Seu voto foi seguido pela ministra Kátia Magalhães Arruda.

Continua depois da publicidade

A maioria dos ministros, porém, acompanhou o voto divergente do ministro Ives Gandra Martins Filho. Para ele, greve legítima é a que trata de direitos que se pretendem ver respeitados ou criados, como reajuste salarial ou vantagens diversas, e que impõe ônus ao empregados. Já a decisão sobre a privatização era dos Poderes Executivo e Legislativo, avaliou o ministro, e não da Eletrobras. O caso abre jurisprudência para julgamentos semelhantes, autorizando desconto pelos dias parados.

“A greve política é dirigida ao Estado”, disse Ives Gandra Martins Filho. “Não cabe discutirmos greve quando não está em jogo um conflito entre empresa e trabalhadores, mas entre trabalhadores e governo”, concluiu.

O posicionamento de Ives Gandra Martins Filho foi seguido pelo vice-presidente do TST, ministro Renato de Lacerda Paiva, pelo ministro Aloysio Corrêa da Veiga e pela ministra Dora Maria da Costa.

Anne Warth
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade