Política Nacional

Justiça bloqueia R$ 4 mi de Cabral e R$ 3 mi de Picciani

COMPARTILHE
13

A Justiça do Estado do Rio determinou o bloqueio de R$ 4 milhões do ex-governador Sergio Cabral (MDB) e de R$ 3 milhões do ex-deputado estadual Jorge Picciani. A decisão atendeu a uma ação civil pública do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc) do Ministério Público.

Pedro Simon: 'Existe o risco de o MDB desaparecer'

Com a autoridade de quem é filiado ao MDB desde 1965, o ex-senador e...

Bolsonaro assina decreto sobre protocolos de bem-estar animal

O presidente Jair Bolsonaro (PLS) participou da 64ª Festa do Peão de Barretos (SP)...

Senadores preparam relatório separado para rejeitar nome de Eduardo Bolsonaro

Com base em um parecer da consultoria do Senado, parlamentares preparam um relatório alternativo...

O processo tramita na 4ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio e também atinge o banqueiro José Augusto Ferreira dos Santos e a Agrobilara Comércio e Participações, de Picciani.

Em sua decisão, em caráter liminar, a juíza Carolina Rossy Brandão Fonseca considerou investigações da Operação Lava Jato que revelaram “a existência de uma organização criminosa formada no governo estadual fluminense, no período de 2007 a março de 2014, liderada pelo então governador Sérgio Cabral”, como afirmou o Tribunal de Justiça do Estado do Rio em nota.

Continua depois da publicidade

Essa organização é acusada de ter atuado e desviado dinheiro público em obras do governo fluminense, como a reforma do estádio do Maracanã para sediar a Copa do Mundo de 2014, a construção do Arco Metropolitano e projetos de urbanização em comunidades carentes, conhecidos como “PAC das Favelas”.

Segundo o Ministério Público, uma das empresas beneficiadas no esquema criminoso, a Carioca Christiani-Nielsen Engenharia, usava caixa 2 para pagar propina ao ex-governador, por meio de contratos simulados e superfaturados. Em parceria com Picciani, a empresa participou de uma série de operações de compra e venda de gado de 2012 a 2014.

Fernanda Nunes
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade