Internacional

Julgamento de separatistas catalães começa com protestos e governo pressionado

COMPARTILHE
13

O julgamento contra 12 políticos e ativistas partidários da independência da Catalunha começou nesta terça-feira no Tribunal Supremo de Madri, em meio a protestos pela secessão e em um ambiente de elevada crispação política. Os acusados são julgados por rebelião e outros quesitos por seu papel na declaração de independência unilateral de outubro de 2017, que se baseou nos resultados de um plebiscito realizado apesar de um veto constitucional.

Promotoria da Itália ordena apreensão de Open Arms e desembarque de migrantes

A Promotoria de Agrigento, na ilha da Sicília, na Itália, ordenou nesta terça-feira, 20,...

Empresário interessado em Itaipu foi condenado em ação de R$ 713 milhões

Presidente da empresa brasileira investigada pelo Congresso do Paraguai por buscar supostas vantagens na...

Primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte renuncia ao cargo

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciou nesta terça-feira, 20, que entregará sua...

O julgamento, que pode ser o mais importante em quatro décadas de democracia na Espanha, começa em meio a dúvidas sobre o futuro do governo minoritário do socialista Pedro Sánchez. O governo realiza negociações de última hora com os partidos pró-independência da Catalunha para que respaldem o orçamento geral de 2019.

Sánchez pode ser obrigado a convocar eleições antecipadas se os separatistas, que no ano passado apoiaram o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) em sua moção de censura contra o então primeiro-ministro Mariano Rajoy, não mudarem de postura na votação do plano de gastos prevista para esta quarta-feira. O debate orçamentário no Congresso começou também nesta terça-feira.

Continua depois da publicidade

A ministra da Fazenda, María Jesús Montero, afirmou que o governo não vai ceder às pressões catalãs para iniciar conversas sobre a autodeterminação regional em troca de seu apoio ao orçamento. O governo “não vai ceder a nenhuma chantagem por parte de ninguém”, garantiu ela.

Os partidários da independência querem que Sánchez concorde em negociar a autodeterminação da região do nordeste espanhol, mas Madri alega que a Constituição não permite isso. Nesta terça-feira, manifestantes pela independência bloquearam brevemente rodovias e avenidas, antes do início do julgamento no tribunal madrilenho.

Entre os réus estão o ex-vice-presidente da Catalunha, Oriol Junqueras, a ex-presidente do Parlamento regional Carme Forcadell e outros dez réus. O julgamento poderia se prolongar pelo menos por três meses e o veredicto deve ser conhecido apenas meses mais tarde. Fonte: Associated Press.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade