Economia

China e EUA buscam reduzir diferenças comerciais por reunião de presidentes

COMPARTILHE
10

Os negociadores da China e dos Estados Unidos se concentram nesta semana em produzir uma solução em linhas gerais para um acordo comercial, para que os presidentes dos dois países possam marcar uma possível cúpula, de acordo com pessoas ligadas ao assunto. Integrantes dos dois governos buscam reduzir as diferenças ainda substanciais entre as concessões que Pequim está disposta a fazer e o que o governo do presidente Donald Trump deseja.

Alcolumbre defende inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), voltou a defender a inclusão de Estados...

Gasolina recua em 19 Estados: Espírito Santo entre eles; preço médio cede 0,47% no País

Os preços médios do etanol hidratado recuaram em 18 Estados brasileiros na semana passada,...

Montezano: nomes que vão para o BNDES são alinhados com Ministério da Economia

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, disse nesta terça-feira, 16, que todos as indicações...

A partir desta quinta-feira, uma delegação de alto nível liderada pelo Representante de Comércio americano, Robert Lighthizer, e pelo secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, terão dois dias de reunião com o vice-premiê Liu He e sua equipe. Os dois lados querem chegar às linhas gerais para um acordo, de acordo com as fontes, com o objetivo de que ele possa ser finalizado na reunião entre Trump e o presidente chinês, Xi Jinping.

A trégua bilateral no comércio tem fim previsto para 1º de março. Caso ela não seja estendida, entrarão em vigor mais tarifas sobre US$ 20 bilhões em produtos chineses, que subirão de 10% para 25%. Questionado sobre a possibilidade de um acordo, Trump respondeu nesta terça-feira: “Nós veremos o que acontece”, acrescentando que a China deseja chegar a um acordo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Continua depois da publicidade

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade