Economia

Weidmann diz que compras de bônus do BCE podem prejudicar sua independência

COMPARTILHE
10

Jens Weidmann, membro do Conselho Executivo do Banco Central Europeu (BCE) e presidente do Bundesbank (o BC alemão), voltou a criticar hoje a política de relaxamento quantitativo (QE, pela sigla em inglês) do BCE, alertando que as compras de bônus em ampla escala podem prejudicar a independência da instituição.

INCC-M de abril avança 0,49% ante alta de 0,19% em março, revela FGV

O Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) de abril avançou 0,49%,...

FGV: Confiança da Construção fica estável em abril ante março em 82,5 pontos

A confiança da construção ficou estável em abril ante março no nível de 82,5...

Confiança do comércio fica estável em 96,8 pontos em abril ante março, diz FGV

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) ficou estável na passagem de março para...

O comentário de Weidmann sugere uma possível mudança de rumo no BCE caso o alemão suceda o italiano Mario Draghi na presidência da instituição, em novembro. Weidmann é um dos poucos candidatos não oficiais ao cargo, segundo autoridades europeias.

Weidmann, que falou durante discurso em Pretória (África do Sul), ressaltou que os BCs da zona do euro tornaram-se os principais credores de seus governos como resultado do QE, que foi encerrado em dezembro e cujas compras totalizaram 2,5 trilhões de euros (US$ 2,825 trilhões).

Continua depois da publicidade

Para Weidmann, essa exposição do BCE pode colocar sua independência em dúvida.

“Não somos super-heróis”, disse Weidmann. “Nossos poderes são limitados…não podemos impulsionar o crescimento no longo prazo”, acrescentou. Com informações da Dow Jones Newswires.

Sergio Caldas
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade