Economia

Um banqueiro de atuação pública

COMPARTILHE
12

O Brasil quebrou mais uma vez, oficialmente, em 20 de fevereiro de 1987, quando o presidente José Sarney anunciou a suspensão de pagamento dos juros da dívida externa. Nove dias antes o presidente do Banco Central (BC), Fernão Bracher, havia pedido demissão. “Saí porque queria aumentar os juros e não me deixaram”, explicou anos depois, distante do setor público e bem conhecido como um banqueiro de sucesso. Elevar os juros em fevereiro de 1987 era apenas uma das medidas de bom senso recomendadas para um país como o Brasil, cheio de distorções, com a moeda supervalorizada e as contas externas em frangalhos.

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos

Iniciativa, resiliência, criatividade e responsabilidade são alguns dos atributos que executivos de empresas que...

Crise argentina, feitiço do tempo

Pode faltar bife em qualquer parte do mundo, menos em restaurante argentino, certo? Errado....

Apesar de mandado dos EUA, petroleiro iraniano pode deixar Gibraltar no domingo

O petroleiro iraniano Grace 1, apreendido em Gibraltar em julho por forças britânicas e...

Ao tentar um aperto da política monetária o presidente do BC reagiu, simplesmente, ao fracasso do Plano Cruzado II, implantado no fim do ano anterior. A insistência do chefe de governo em manter a fantasia do controle de preços e de salários, juntamente com uma taxa de câmbio irrealista, conduziria o País a uma nova moratória.

Outra quebra havia ocorrido cinco anos antes, quando uma enorme crise cambial se espalhou por dezenas de países, a partir da moratória do México. O governo brasileiro havia recorrido ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Nem tudo se consertou. Pelo menos as contas externas melhoraram, mas por pouco tempo. A lição havia sido esquecida pelos estrategistas do primeiro governo civil.

Continua depois da publicidade

Bracher presidiu o BC entre 28 de agosto de 1985 e 11 de fevereiro de 1987, quando Dilson Funaro chefiava o Ministério da Fazenda e conduzia as tentativas de liquidar a inflação com intervenção em preços e salários, mas sem dar a atenção necessária aos problemas fiscais, monetários e cambiais.

O presidente do BC havia passado pela instituição entre 1974 e 1979, como diretor da área externa. Conhecia bem os problemas cambiais, quando assumiu a chefia da política monetária em 1985, mas só poderia usar plenamente seu conhecimento se confrontasse a política econômica. Em 1985 Bracher participou da reunião anual do FMI em Seul, na Coreia, e destacou-se como um defensor da política brasileira como responsável e digna de confiança. Cumpriu seu papel, mas foi incapaz de evitar o retorno do País ao Fundo, menos de dois anos depois.

Fernão Bracher foi mais conhecido, no último quarto de século, como banqueiro de sucesso. Em 1988, fundou o BBA, banco de investimentos, em associação com o austríaco Creditanstalt. Com a absorção pelo Itaú, 14 anos depois, criou-se o Itaú BBA. Candido Botelho Bracher, filho de Fernão, hoje preside o Itaú Unibanco. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Rolf Kuntz
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade