Economia

Bolsas da Europa fecham em alta, com foco em comércio, câmbio e indicadores

COMPARTILHE
11

As bolsas europeias fecharam em alta nesta segunda-feira, 11, com ajuste após quedas recentes e investidores animados à espera de novidades no diálogo comercial entre Estados Unidos e China. Além disso, o movimento do câmbio influenciou os negócios, em dia de dólar em alta ante euro e libra.

Bolsas de NY fecham em alta expressiva com comércio EUA-China e sinais do Fed

Os mercados acionários americanos apresentaram alta expressiva nesta sexta-feira, 15, alimentados por sinais de...

Decreto limita gasto nos 3 primeiros meses a 1/18 do previsto na LOA

Decreto presidencial publicado em edição extra do Diário Oficial da União que circula nesta...

Bolsa cai e perde os 98 mil pontos em movimento de realização de lucros

O Ibovespa operou nesta sexta-feira, 15, descolado tanto do otimismo externo quanto dos demais...

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,85%, em 361,12 pontos.

Nesta semana, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, e o representante comercial do país, Robert Lighthizer, se reúnem com autoridades chinesas para negociações comerciais em Pequim. Embora existam incertezas, a possibilidade de um acordo entre as partes tende a ser positivo para os mercados acionários em geral, por seu impacto para a economia no mundo.

Continua depois da publicidade

Na agenda de indicadores, o Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido cresceu 0,2% no quarto trimestre ante o terceiro, com expansão anual de 1,3%. Analistas previam altas de 0,3% e 1,5%, respectivamente, portanto os números frustraram a expectativa. A produção industrial do país caiu 0,5% em dezembro ante novembro, quando a previsão era de alta de 0,2%. Os dados pressionaram a libra.

No câmbio, a divisa britânica e o euro recuaram no pregão, o que tende a apoiar ações de exportadoras do continente. Já entre os sinais do Banco Central Europeu (BCE), o vice-presidente da instituição, Luis de Guindos, afirmou que a inflação na zona do euro deverá acelerar no médio prazo.

A bolsa de Londres fechou em alta de 0,82%, em 7.129,11 pontos, recuperando-se após três recuos consecutivos. No setor bancário, Lloyds subiu 1,48% e Barclays, 0,58%. Já entre as mineradoras, Glencore recuou 0,75% e Antofagasta teve baixa de 3,56%.

Em Frankfurt, o índice DAX avançou 0,99%, a 11.014,59 pontos. No setor de energia, E.ON subiu 1,35%, enquanto entre os bancos Deutsche Bank teve ganho de 2,40% e Commerzbank, de 4,33%.

Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 subiu 1,06%, a 5.014,47 pontos. Entre os papéis mais negociados, Auplata subiu 15,87% e Neovacs, 6,34%, porém Vallourec recuou 2,39%.

O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, fechou em alta de 1,21%, a 19.586,56 pontos. Intesa Sanpaolo subiu 1,23% e Banco BPM, 7,03%, mas Fiat Chrysler caiu 0,38%.

Em Madri, o índice IBEX-35 avançou 0,90%, a 8.936,40 pontos. Santander registrou ganho de 1,21% e Banco de Sabadell, de 0,91%. Nyesa Valores se destacou, com avanço de 5,68%.

Na bolsa de Lisboa, o PSI-20 avançou 0,05%, a 5.093,82 pontos. Galp foi destaque, em alta de 1,46% após balanço que agradou investidores, enquanto Banco Comercial Português teve ganho de 0,74%. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade