Economia

GM recua e retira pedidos a trabalhadores da fábrica de Gravataí

COMPARTILHE
8

A direção da General Motors (GM) no Brasil comunicou nesta sexta-feira, 1, aos funcionários da fábrica de Gravataí, no Rio Grande do Sul, que desistiu das 21 reivindicações que havia feito no início da semana. Todas as demandas da empresa tinham o objetivo de reduzir custos trabalhistas, como diminuição do piso salarial para novos trabalhadores, mudanças na jornada de trabalho e nas participações em resultados.

Bolsas de NY fecham em alta expressiva com comércio EUA-China e sinais do Fed

Os mercados acionários americanos apresentaram alta expressiva nesta sexta-feira, 15, alimentados por sinais de...

Decreto limita gasto nos 3 primeiros meses a 1/18 do previsto na LOA

Decreto presidencial publicado em edição extra do Diário Oficial da União que circula nesta...

Bolsa cai e perde os 98 mil pontos em movimento de realização de lucros

O Ibovespa operou nesta sexta-feira, 15, descolado tanto do otimismo externo quanto dos demais...

A desistência foi divulgada à imprensa pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, que comemorou a decisão da montadora. “Resistimos bravamente e, hoje, tivemos uma conquista histórica mostrando que precisamos lutar para que sejam garantidos nossos direitos”, afirmou o diretor administrativo do sindicato, Valcir Ascari.

Para diminuir custos no Brasil, a empresa começou a negociar flexibilizações trabalhistas com os sindicatos das cidades onde mantém fábricas de veículos: São Caetano do Sul (SP), São José dos Campos (SP) e Gravataí (RS). As negociações com os trabalhadores das fábricas paulistas continuam. A fábrica de Gravataí é que se encontra em melhor situação.

Continua depois da publicidade

A empresa também mantém negociações com os governos estaduais. Ao Estado de São Paulo, pediu antecipação de créditos acumulados no ICMS. Ao Rio Grande do Sul, solicitou que o Estado voltasse a oferecer isenção no ICMS cobrado sobre o frete interestadual e que medidas fossem tomadas para diminuição dos custos de exportação a partir do Porto de Rio Grande.

As conversas tiveram início depois que a empresa divulgou comunicado interno no qual afirmou que estava dando prejuízo no Brasil há três anos e indicou que poderia deixar de produzir no País se não voltasse a ter lucro em 2019.

André Ítalo Rocha
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade