Cachoeiro de Itapemirim

Após desencontro de informações, família diz que cachoeirense e mineiro continuam desaparecidos na Patagônia

COMPARTILHE
24109

Matéria atualizada às 8h desta segunda-feira (28).

Distrito de São Vicente recebe melhorias para projeto de Turismo Rural

Explorar as riquezas naturais dos distritos e comunidades de Cachoeiro e desenvolver um projeto...

Moradores do Coronel Borges aprovam mudanças no trânsito do bairro

Foram concluídas pela prefeitura, na semana passada, as novas alterações no trânsito do Coronel...

Obras de contenção vão melhorar mobilidade em rua no Zumbi

A prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim vem realizando, com mão de obra própria, uma...

Errata: De acordo com a família do cachoeirense Fabrício Amaral, às informações de amigos próximos que estão na Argentina acompanhado as buscas por ele e pelo mineiro Leandro Ianotta, supostamente localizados no final da tarde da última sexta-feira (25), não condizem com as informações divulgadas pelo Consulado Brasileiro. Houve equivoco no momento do repasse das informações, e por isto, nós e outros veículos do Estado divulgamos erroneamente o encontro dos corpos.

Continua depois da publicidade

Segundo nota enviada pelo Consulado Brasileiro na Argentina à irmã de Fabrício Amaral, 42 anos, os corpos do cachoeirense e do mineiro Leandro Ianotta, ainda não foram encontrados.

Nesta segunda-feira (28), as buscas devem ser retomadas na Patagônia argentina, para então, tentar localizar os escaladores. A equipes de buscas aguardam a melhora do tempo para iniciar uma nova operação com sobrevoos e buscas por solo.

As primeiras informações passadas pelo bombeiro militar Fábio Fabre, dão conta de que os corpos teriam sido avistados por luneta em um planalto, conhecido como La Silla, próximo ao Monte Fitz Roy, no qual a dupla pretendia fazer a escalada, de acordo com as equipes de socorristas locais.

Como não houve sobrevoos na região e buscas por solo, não é possível afirmar, ainda, que os corpos foram encontrados. A esperança é de que os escaladores possam estar vivos.

Os montanhistas foram vistos pela última vez há sete dias, na última quinta-feira (17), por volta das 14h. Os escaladores que os avistaram estavam descendo da mesma montanha enquanto uma tempestade se aproximava. A tempestade atingiu a montanha no mesmo dia, mais tarde.

Nota

“Acabamos de falar com a direção do parque. Eles informaram que não houve janela de melhora no tempo suficientemente ampla para que sejam feitas operações por solo em segurança, por isso estavam aguardando a comunicação do helicóptero da Gendarmería sobre a possibilidade de sobrevoo. Infelizmente, o mau tempo persiste e o helicóptero, até o momento, não pôde seguir, segundo informações do parque. De acordo com o responsável pela Gendarmería nesta operação, há previsão de melhora no tempo somente para segunda-feira. As duas instituições reafirmaram que não houve confirmação positiva de Fabrício e Leandro até o momento. ”

Por meio de redes sociais, a irmã de Fabrício, Luciana Amaral, agradeceu o carinho e as orações dos amigos.

 

Publicidade