Esporte Nacional

Conmebol rebate Corinthians e lembra Oruro para justificar normas de segurança

COMPARTILHE
7

A Conmebol rebateu nesta segunda-feira as críticas feitos pelo Corinthians sobre o novo regulamento de segurança das Copas Libertadores e Sul-Americana. A entidade lembrou do trágico episódio ocorrido em 2013 em Oruro para justificar a proibição de bandeirões – na ocasião, um sinalizador lançado pela torcida corintiana atingiu e matou um torcedor do San José.

Bruno Soares cai nas duplas masculinas, mas avança nas mistas na Austrália

O tenista brasileiro Bruno Soares teve motivos para comemorar e lamentar nesta quarta-feira, no...

Em jogo de viradas, Pliskova elimina Serena e enfrenta Osaka na Austrália

Em jogo marcado por reviravoltas e cinco match points, a checa Karolina Pliskova superou...

Cansado, Nishikori abandona e Djokovic encara Pouille na semifinal em Melbourne

O sérvio Novak Djokovic precisou de apenas 52 minutos para garantir nesta quarta-feira a...

Na última sexta-feira, o Corinthians emitiu nota em seu site oficial, assinada pelo presidente Andrés Sanchez, para contestar as normas divulgadas pela Conmebol. Entre as reclamações, avisou que não aceitará extinguir os locais populares de sua arena. “Nela queremos não só bandeiras e bandeirões, mas também instrumentos musicais e fogos festivos.”

A Conmebol rebateu que visa apenas “preservar a ordem pública e o controle do espetáculo esportivo, e não pretende em nenhuma circunstância mudar o DNA do nosso futebol sul-americano”.

Continua depois da publicidade

Na sequência, justifica que em nenhum dos pontos proíbe as torcidas de entrar nos estádios com bandeiras, faixas, cartazes e instrumentos musicais. “No entanto, se faz necessário regulamentar seus usos para que os órgãos de segurança contem com todas as garantias visuais, operacionais e funcionais para garantir a segurança de todos os presentes aos estádios.”

Em relação aos bandeirões, a Conmebol aproveitou para lembrar do episódio que aconteceu com a torcida do Corinthians em 2013 em Oruro, “quando ao ser levantado um bandeirão por parte da torcida visitante, foi lançado um sinalizador que atingiu o olho de um torcedor (menor de idade), provocando sua morte de maneira instantânea na arquibancada”, escreveu.

A carta ainda nega que os torcedores terão que assistir aos jogos sentados e finaliza informando que está aberta ao diálogo. “Todas as situações manifestadas anteriormente serão discutidas e esclarecidas nesta segunda-feira (dia 14 de janeiro) e terça-feira (dia 15 de janeiro) no Workshop para os Dirigentes de Segurança dos clubes participantes da Copa Libertadores e da Copa Sul-Americana.”

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade