Economia

Indicado ao conselho da Petrobras foi sondado por ministro de Minas e Energia

COMPARTILHE
18

John Forman, indicado para o conselho de administração da Petrobras, disse que conhece o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, mas “não profundamente”. Ele conta que recebeu um telefonema do atual ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, no fim do ano passado, ainda na fase de transição do governo. Na ligação, o ministro teria sondado seu interesse em assumir o cargo no colegiado, quando recebeu uma resposta positiva de Forman.

Distribuidoras poderão vender gás de cozinha diretamente ao consumidor

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quinta-feira, 18,...

Onyx: anunciaremos liberação do FGTS na próxima quarta-feira, às 16h

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, confirmou que o anúncio da liberação para...

Mais de 11 mil famílias pediram desligamento do Bolsa Família em 2019

/com informações Agência Brasil   Mais de 11 mil famílias solicitaram desligamento voluntário do Bolsa Família...

Nesta segunda-feira, 14, a Petrobras divulgou fato relevante em que divulga três indicações que representarão os interesses da União em seu conselho de administração. Além de Forman, entrarão João Cox, com experiência na iniciativa privada, principalmente no setor de telecom, e o almirante da Marinha Eduardo Bacellar Leal Ferreira. Eles assumem os assentos de Luiz Nelson Carvalho, Francisco Petros e Durval José Soledade Santos, que renunciaram aos cargos.

Ao Broadcast/Estado, o presidente da Petrobras afirmou na última sexta-feira que a intenção é mudar o perfil do conselho para que tenha “mais representantes com visão estratégica do que a Petrobras precisa”. “Um novo ciclo se encerrou e iniciamos uma nova era”, complementou.

Continua depois da publicidade

“Acredito que a minha experiência em administração direta tenha contribuído para a indicação”, avaliou Forman, que nos últimos anos atuava como consultor no setor de petróleo e gás natural. Além de uma longa carreira acadêmica, pela UFRJ, o geólogo foi diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), onde atuou em diversas áreas, mas, principalmente, em exploração e produção.

Ele disse que ainda não tomou conhecimento da pauta de debate que deve ser levada ao conselho neste ano e evitou dar opinião sobre temas polêmicos antes da posse, que ainda depende de aprovação na assembleia de acionistas. A expectativa é que uma AGE aconteça ainda neste mês.

Fernanda Nunes
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade