Política Nacional

Ministro italiano liga para Bolsonaro e agradece por Battisti preso

COMPARTILHE
18

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, telefonou a Jair Bolsonaro agradecendo ao presidente da República “por ter permitido concluir positivamente” a prisão de Cesare Battisti, que chegou a Roma na manhã desta segunda-feira, 14. As informações são da agência de notícias EFE.

À Globonews, Haddad diz que não vai ser candidato a prefeito de São Paulo em 2020

Segundo colocado na disputa presidencial do ano passado, Fernando Haddad (PT) disse em entrevista...

Procuradoria denuncia 12 por corrupção em operações com recursos do Postalis

Os procuradores da força-tarefa Greenfield denunciaram 12 investigados por corrupção ativa e passiva, falsidade...

Indicação foi 'um gol de placa do presidente', diz Onyx sobre Eduardo

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta quinta-feira, 18, que aguarda a...

“Reiterei o enorme agradecimento em nome dos 60 milhões de italianos por ter permitido concluir positivamente o caso Battisti”, disse Salvini, em declaração enviada aos veículos de imprensa locais.

O ministro italiano disse também que, durante a conversa por telefone, ambos demonstraram vontade de se encontrar em breve na Itália ou no Brasil “para estreitar os vínculos entre nossos povos, nossos Governos e a nossa amizade pessoal”.

Continua depois da publicidade

Battisti estava foragido desde 14 de dezembro, quando o então presidente Michel Temer autorizou sua extradição para a Itália um dia depois do ministro, Luiz Fux, do STF, suspender uma liminar que garantia sua permanência no Brasil.

No sábado, dia 12, foi preso por autoridades bolivianas. De cavanhaque e óculos escuros, o italiano foi abordado enquanto caminhava por Santa Cruz de la Sierra.

Battisti, que era ligado ao grupo Proletário Armados pelo Comunismo, deixou seu país depois de ser condenado por quatro assassinatos cometidos entre 1977 e 1979.

Na Itália, foi primeiramente condenado por participação em bando armado e ocultação de armas a 12 anos e 10 meses de prisão em 1981. Mais tarde, em 1993, teve a prisão perpétua decretada pela Justiça de Milão. Battisti já está em Roma e, vai, agora, cumprir pena de prisão perpétua em seu país.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade