Política Nacional

Toffoli deixa para Barroso decisão sobre inquérito dos Portos

COMPARTILHE
11

O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu enviar os pedidos da Procuradoria-geral da República relacionado ao inquérito dos Portos para o relator do caso, o ministro Luis Roberto Barroso. O despacho é de sexta-feira, 11.

Porta-voz: todas as circunstâncias serão consideradas para balizar escolha de PGR

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira, 17, que...

Porta-voz: escolha de pessoas para órgãos do governo deve ter caráter técnico

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira, 17, que...

Maia: Parlamento tem trabalhado bem com novo modelo (político) do governo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira, 17, que...

Em 19 de dezembro, véspera do recesso do Judiciário, a procuradora-geral Raquel Dodge denunciou o então presidente Michel Temer (MDB) por corrupção e lavagem de dinheiro no caso da edição do decreto dos Portos. Ao denunciar, Dodge também solicitou a abertura de outras cinco investigações contra o presidente e pessoas próximas a ele e o envio dos casos para a 1ª instância.

O ministro Barroso é o relator do caso, mas como os pedidos entraram no sistema do STF durante o recesso foram parar no gabinete do presidente da corte. Por entender que não há urgência na decisão, Toffoli optou por enviar as solicitações ao relator.

Continua depois da publicidade

Assim como as investigações sobre o inquéritos dos Portos, outras duas denúncias oferecidas pela PGR contra Michel Temer devem ser enviadas para a 1ª instância. A primeira é por corrupção no caso da entrega da mala de R$ 500 mil para o ex-assessor Rodrigo Rocha Loures. A outra acusa o emedebista de ser o líder da organização criminosa que atuava na Caixa e em outras estatais. As duas denúncias foram barradas na Câmara e, agora, retornarão ao trâmite normal na 1ª instância.

O caso de recebimento de propina da Odebrecht, em que Dodge não ofereceu denúncia por serem crimes praticados antes de Temer se tornar presidente, também deverá seguir para um juiz de 1ª instância. Temer teria recebido parte de R$ 10 milhões acordados com a Odebrecht em um jantar no Palácio do Jaburu.

Fabio Serapião
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade